Geostratégia e geopolítica Açores - Plataforma Media

Geostratégia e geopolítica Açores

Os Açores têm de assumir a geopolítica como um eixo estratégico ativo na sua política e Portugal deve melhorar a sua negociação e afirmação mundial por via da posição geoestratégica do Arquipélago. 

Todos sabemos que os Açores configuram um relevante e insubstituível epicentro na geopolítica internacional, pelo que temos de avançar para além das evidências de circunstância e de “oportunidades de hora”. Isto significa, que importa sermos capazes de agir na construção de um Conceito Regional Estratégico que proporcione uma linha de orientação e atuação.

A geocentralidade atlântica da região materializada nos benefícios da geografia, do tempo e do espaço, fundamenta uma maior atenção da política regional e uma crescente reivindicação nacional de conhecimento.

Para o efeito, as prorrogativas da Autonomia podem criar um posicionamento político próprio de futuro, que evite o isolamento e permita estabelecer as vantagens geopolíticas e geoestratégicas.

O Primeiro-Ministro da República Popular da China visitou, e num espaço de quatro anos, a Ilha Terceira e o Presidente da República Popular da China, esteve na Ilha Terceira em 2015

Os Açores participaram na primeira globalização, foram a capital administrativa dos oceanos, centro de abastecimento do Atlântico e proteção militar das rotas marítimas. Seguiram-se e seguem-se outras globalizações, e para não perdermos a “chamada global” necessitamos de previsibilidade e diplomacia ativa, até porque os interesses mundiais mantêm-se.

Como exemplo deste interesse, basta verificar que o Primeiro-Ministro da República Popular da China visitou, e num espaço de quatro anos, a Ilha Terceira e o Presidente da República Popular da China, esteve na Ilha Terceira em 2015.

Neste sentido, e para sermos bons negociadores precisamos de um pensamento crítico, um relacionamento externo politicamente vivo, uma inevitável partilha de sabedoria e um retomar da vocação atlântica.

A geocentralidade dos Açores cria oportunidades no domínio de várias temáticas e que em muito podem contribuir para o desenvolvimento da Região e de Portugal pela criação de riqueza e emprego.

Na verdade, existem novas dimensões onde os Açores facultam um amplo campo de possibilidades para além do militar como no domínio científico e tecnológico, nas alterações climáticas, no ambiente, nas energias renováveis, nos fluxos migratórios, no agroalimentar, na astrofísica, no aeroespacial, na oceanografia, na vulcanologia e na sismologia.

Nestas e outras temáticas os Açores podem ser um laboratório privilegiado para a investigação e a experimentação e, até, já existem exemplos da presença mundial científica e tecnológica na Região.

A posição geoestratégica dos Açores contribui para a criação de riqueza e emprego local, mas também no desejado e imprescindível processo de internacionalização da economia regional e nacional.

De grande importância são os acordos que a União Europeia (UE) está a negociar, esperando-se, desde logo, que a UE faça a “identificação prática” e não apenas formal dos Açores como fronteira da Europa.

Convém relembrar que a Ilha Terceira é o centro de uma Zona Económica Exclusiva (ZEE), onde circula, atualmente, cerca de 53% do comércio externo da União Europeia

A este propósito, convém relembrar que a Ilha Terceira é o centro de uma Zona Económica Exclusiva (ZEE), onde circula, atualmente, cerca de 53% do comércio externo da UE.

São acordos à escala global que se fazem acompanhar de um crescimento ao nível dos transportes com a criação de novas empresas e empregos, designadamente nos Portos e Aeroportos.

Identicamente surgem oportunidades que podem resultar de novas inquietudes e carências a uma escala global adotando dimensões como a humanitária, as de segurança e vigilância do atlântico.

O próprio acordo, da Base das Lajes, acima de tudo, materializa as vantagens do papel estratégico que os Açores desempenham no quadro transatlântico.

Por isto tudo os Açores, o Estado Português e a União Europeia devem ter presentes as vantagens da posição geográfica dos Açores.

Num mundo cada vez mais globalizado a geoestratégica dos Açores torna-se numa mais-valia e num trunfo geopolítico para a União Europeia.

Tudo isto é verdade, porém é vital avançar para se saber de forma institucional, política e jurídica as vantagens e os desafios da posição geoestratégica e geopolítica dos Açores.

Um conhecimento essencial para colocar os Açores e Portugal no âmbito do investimento Europeu e mundial em muitas temáticas.

Interessa, pois que o Estado conheça e promova as vantagens associadas à geostratégia e à geopolítica relacionada com a posição geográfica dos Açores, mas de forma constante, porque as variáveis são muitas e o Governo Regional tem de ser um elemento com iniciativa própria na procura deste conhecimento. 

Se toda esta reflexão era necessária antes da COVID-19, agora torna-se urgente.

*Deputado do Partido Social-Democrata, PSD (Portugal)

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
Eleitos

Um problema congelado

Eleitos

Diabolizar a extrema-direita e branquear a extrema-esquerda.

PolíticaPortugal

PSD não consegue justificar 600 mil euros para empresa de diretor da campanha de Passos

PolíticaPortugal

PS mantém fosso de 13 pontos para o PSD. CDS próximo da irrelevância

Assine nossa Newsletter