ONU pede ao Governo de Hong Kong que retire as acusações a 15 ativistas - Plataforma Media

ONU pede ao Governo de Hong Kong que retire as acusações a 15 ativistas

Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas (ONU) pediram ao Governo de Hong Kong que retirem imediatamente o processo criminal a 15 ativistas e ex-deputados pró-democráticos que participaram nas manifestações no território o ano passado.

“Ninguém deve ser submetido a sanções administrativas ou criminais por participar num protesto pacífico, mesmo que o regime que rege os protestos exija autorização”, apontaram os especialistas, segundo um comunicado de quarta-feira da ONU.

Milhões de pessoas protestaram em Hong Kong no ano passado em demonstrações que frequentemente terminavam em confrontos entre alguns dos manifestantes e a polícia, marcados pelo atirar de bombas incendiárias, pelo gás lacrimogéneo e pelo disparo de projéteis, a esmagadora maioria não letais.

As manifestações resultaram em milhares de detenções, entre elas proeminentes ativistas e deputados, e de feridos, registando-se mortes associadas aos confrontos.

Na mesma nota, a ONU contextualiza que os 15 ativistas pró-democracia foram detidos em abril e foram acusados de ajudar na organização de concentrações “não autorizadas” ou pela participação nas manifestações. O julgamento deverá começar na segunda-feira.

“As acusações foram feitas num momento em que os protestos são restritos devido à prevenção da covid-19. As pessoas acusadas são todas figuras importantes no movimento pró-democracia. Tememos o efeito assustador que essas detenções pretendem ter em protestos pacíficos em Hong Kong”, disseram os especialistas.

O comunicado das Nações Unidas aconteceu no mesmo dia em que manifestantes pró-democracia voltaram a concentrar-se em centros comerciais da antiga colónia britânica, para celebrar de forma irónica o aniversário da líder de Hong Kong, Carrie Lam, que fez quarta-feira 63 anos e ainda para exigir quatro reivindicações.

A libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não fossem identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de Governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong, são as reivindicações.

Artigos relacionados
ChinaHong Kong

Hong Kong, um ano antes

ChinaHong Kong

Hong Kong: Proibidas manifestações no dia 1 de outubro, dia da República Popular da China

Hong KongMacau

“Macau e Hong Kong caminham para estado policial moderno", defende especialista

ChinaHong Kong

China diz que 12 detidos são ‘separatistas’ de Hong Kong, um tem passaporte português

Assine nossa Newsletter