“É inútil ter medo” - Plataforma Media

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro.

Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase três meses depois deixa, por enquanto temporariamente, o lugar que ocupou na Assembleia Legislativa. Sulu Sou é acusado de desobediência qualificada num processo relacionado com uma manifestação da Associação Novo Macau realizada no ano passado contra um subsídio da Fundação Macau à Universidade de Jinan. 

O hemiciclo foi chamado a votar para decidir se o mandato do jovem era ou não suspenso. Entre 32 votos, 28 foram a favor da suspensão. Sulu Sou vai a tribunal, sem medo. Diz ter feito tudo bem e não estar agarrado ao lugar de deputado. “Há outras formas de mudar a sociedade”, afirma.

– A suspensão do seu mandato como deputado por decisão da assembleia marca uma viragem em Macau?

Sulu Sou – É um momento decisivo na história de Macau porque é a primeira vez que um deputado é suspenso pelos colegas, desde a transferência de soberania. Acho que vai ter um grande impacto na sociedade, sobretudo, nos jovens. A partir de agora, vão preocupar-se e fazer mais para vigiar a assembleia e o Governo.

– Quando foi eleito sabia que ia ser difícil por ser jovem e democrata. Alguma vez pensou que uma prova como esta pudesse surgir tão cedo?

S.S. – Preparámo-nos para todas as situações, incluindo para este caso. Sabia que ia ser difícil para mim, não só porque pertenço à minoria democrata na assembleia, mas porque, dentro dessa minoria, ainda sou a minoria (por ser jovem). A nossa equipa sabia que este caso surgiria depois das eleições. Recebi a notificação do tribunal em junho. Notificaram-me a mim e ao Scott Chiang, (presidente da Novo Macau na altura) para irmos a tribunal no dia 28 de novembro.

– Como se preparou?

S.S. – Investigámos os casos similares pós-transferência e o caso de 1997, quando houve suspensão de mandato de outro deputado. Escrevi um documento com sete páginas que entreguei à assembleia. A parte mais relevante centrava-se na importância de defender a independência da assembleia e nas consequências de suspender o mandato a um deputado. Este era o ponto importante da discussão, mas poucos deputados falaram sobre isso. A outra parte do documento que escrevi explica o que aconteceu na manifestação do ano passado, quando quisemos entregar uma petição a Chui Sai On. Quero enfatizar que é um direito cívico expressar-se e entregar petições ao Chefe do Executivo. É um direito e não tem que ser previamente autorizado pelas autoridades. Fizemos questão de explicar a alguns deputados o que aconteceu nesse dia. Acho que alguns deles não sabiam o que se tinha passado. Só tinham lido os comunicados da polícia e do Ministério Público, que não dizem a verdade. 

– O que aconteceu durante a manifestação?

S.S. – Começámos a manifestação no Jardim Vasco da Gama. Comunicámos com a polícia desde o início e explicámos que queríamos entregar uma petição na casa do Chefe do Executivo. Quando estávamos na zona do Centro Comercial New Yahoon, perto do Silo de Nam Van (Pak Wu), e quisemos atravessar a rua, a polícia impediu-nos, disse que não podíamos caminhar na estrada e tínhamos de ficar no passeio. Mas, de acordo com a lei, a polícia pode obrigar-nos a andar no passeio, mas tem de garantir que há espaço para os manifestantes. Éramos milhares e o passeio era pequeno. Estivemos cerca de 20 minutos a falar com a polícia para caminhar na estrada e acabámos por aceitar ficar só no passeio. Ou seja, obedecemos às exigências das autoridades. Esta foi a primeira parte. Aqui a polícia também nos queria mover uma acusação, mas o Ministério Público rejeitou e encerrou o processo. Quando chegámos à zona do toldo branco dos Lago de Nam Van dissemos aos participantes que queríamos entregar uma carta na casa do Chefe do Executivo, mas deixámos claro que o protesto tinha terminado. Não fazia parte da manifestação e não era nada organizado. Cerca de oito a dez cidadãos decidiram ir comigo e com o Scott. Depois de uns minutos, a polícia apareceu com um aviso e acusava-nos de protesto ilegal. Disseram-nos que se não abandonássemos o local seríamos acusados do crime de desobediência qualificada. Passado cerca de meia hora na Penha, atirámos a petição para a casa do Chefe do Executivo. Abandonei o local segundos depois do último aviso da polícia, assim como o Scott Chiang. Também referi isto aos deputados: ainda que não concordássemos com a posição da polícia e considerássemos que estavam errados, obedecemos e abandonámos o local. Foi tudo pacífico. A polícia não fez detenções. Passados dois meses, recebemos o telefonema para comparecer na polícia e disseram-me que era acusado.

– Receia o que poderá acontecer a seguir?

S.S. – Não estamos preocupados. Sabemos que fizemos tudo de acordo com a lei. É inútil ter medo. Não podemos controlar nada. Não pudemos controlar a decisão da assembleia. O que vamos fazer é preparar-nos melhor.

– Acha que houve influência de Pequim?

S.S. – Não é impossível. 

– Quando tentou abordar os deputados para lhes explicar a sua versão, que reação tiveram?

S.S. – No início, queria falar com todos os deputados eleitos pela via direta, mas depois percebi que era complicado e por isso esforcei-me por falar com alguns. Ouviam-me e diziam-me: “Cuida-te”.

– O que mudou na forma como olha para a assembleia e para o Governo?

S.S. – A minha opinião não mudou. Já sabia como funciona o sistema político. Como disse, sinto-me triste não porque fui suspenso, mas porque muitos residentes, incluindo os jovens, se sentem defraudados. 

– O que acha que vai acontecer em tribunal?

S.S. – Muitos não acreditam na independência da Justiça. Se duvidar da independência do poder judicial, escuso de me esforçar. Só tenho uma opção: acreditar. O resto, não posso controlar.

– Se o tribunal o considerar culpado e o condenar a mais de 30 dias de prisão, perde o mandato como deputado. O que vai fazer? 

S.S. – Voltarei à sociedade civil e farei o que fiz até ser eleito: estar na rua. Acho que será um momento difícil para a Novo Macau. Os recursos financeiros são bastante escassos quando não temos deputados na assembleia. Mas temos outras coisas que podemos fazer para vigiar os poderes políticos e defender a sociedade. Antes de setembro, os jovens da Novo Macau não tinham representação na assembleia e sempre arranjámos forma de expressar a nossa opinião. Há muitas coisas que podemos fazer, que os deputados não podem, e que podemos impedir, que os deputados não conseguem na assembleia. Somos um movimento social que veio das ruas e voltamos para onde viemos. A assembleia não é o único sítio onde se pode mudar a sociedade.

– Qual passaria a ser o seu papel na Novo Macau?

S.S. – Não sei.

– Se por outro lado, o tribunal decidir pela sua inocência ou a pena não implicar os 30 dias de prisão, e voltar à assembleia, vai mudar a postura como deputado?

S.S. – Serei mais duro na forma como vou encarar momentos difíceis na minha carreira política. 

– Se perder o lugar como deputado, haverá eleições intercalares. Qual será a estratégia da Novo Macau? 

S.S. – Ainda não pensámos nisso. Só posso garantir que a Novo Macau tem como princípio não desistir quando temos oportunidade de mudar as coisas. 

– Alguns analistas consideram que a decisão de suspender o seu mandato é um recado que o Governo quer enviar aos jovens, sobretudo aos democratas. Concorda?

S.S. – O Governo acredita que silenciando os jovens democratas, todas as opiniões contrárias vão desaparecer. É ingénuo. A suspensão do meu mandato aumentou o sentimento de oposição na sociedade, sobretudo o dos jovens. É um aviso aos jovens, mas não tem qualquer sentido. A relação com os deputados que se opõem à Novo Macau melhorou. A suspensão vai afetar este progresso na relação entre os dois campos: pró e anti-sistema.

– Considerando o que se está a passar em Macau e em Hong Kong, acha que há uma estratégia de Pequim de cansar ativistas e políticos anti-sistema, acabando por fazê-los desistir e demover outros de enveredarem pela vida e ativismo políticos?

S.S. – Todos os governos querem que as pessoas lhes obedeçam, mas optam pela via errada para o conseguir. O caminho certo é o Governo trabalhar cada vez mais para conseguir mais apoio da população. Acho, no entanto, que o contexto é diferente face a Hong Kong. A suspensão dos mandatos dos deputados em Hong Kong esteve relacionada com assuntos mais graves. Aqui não há uma questão sensível. Trata-se apenas da entrega de uma petição. É um assunto local, que diz respeito a Macau. Não tem nada que ver com as autoridades centrais.

– Mas se não é grave e ainda assim implicou uma acusação de crime de desobediência qualificada, e a suspensão do seu mandato, o que é que isso diz sobre Macau? 

S.S. – Mostra que o Governo local tem medo e que não tem capacidade para lidar com as vozes que se opõem.

– Já lamentou alguma vez ter-se candidatado como deputado?

S.S. – A decisão que tomamos em cada momento é a certa. Não há arrependimentos!

– Foi criticado por outros deputados por ter divulgado o que se debatia nas comissões. De acordo com a lei, pode fazê-lo, mas os seus colegas censuraram-no. Vai continuar a fazê-lo?

S.S. – Vou continuar a divulgar o que se passa nas comissões porque é o que está certo: garantir que haja mais transparência. Enquanto deputado, a lei não me impede de divulgar o que se passa dentro das comissões. Tenho de frisar que não divulgámos conversas privadas tidas em família. Ouvimos e tomámos notas sobre questões que preocupam a sociedade. Os media e os residentes devem saber o que se passa dentro da assembleia. Os deputados receiam que seja divulgado quem disse o quê. Não querem que os nomes deles apareçam. Nunca referi nomes. Tomo nota dos tópicos principais da discussão. Mas criticaram-me. Sentem-se desconfortáveis e opõem-se a qualquer coisa que implique mudança e com a qual não estão familiarizados. O que estamos a fazer é normal no resto do mundo. Temo-nos limitado a fazer o que é básico na responsabilidade de um deputado. Mas eles entendem que está errado e que é ridículo.

– Porque acha que havia polícias na assembleia no dia em que foi suspenso e enquanto falava aos jornalistas?

S.S. – Também querem vigiar os cidadãos, como o Big Brother. Querem controlar qualquer cidadão que tenha uma opinião diferente. Isso faz com que se fique com medo de expressar opiniões. Querem criar um clima de medo e é por isso que usam câmaras. 

– O que vai fazer até que haja uma decisão do tribunal?

S.S. – Vou continuar a assumir as responsabilidades de deputado na defesa dos interesses dos cidadãos. Ligam-me e procuro ajudar. Também quero descansar depois deste momento difícil da suspensão e preparar a minha defesa em tribunal.

– Antecipam-se momentos decisivos na História de Macau, como a eleição do Chefe do Executivo e os 20 anos da RAEM. Qual é a estratégia da Novo Macau para consolidar o eleitorado e não permitir que casos como o seu sejam esquecidos?

S.S. – Fazemos publicações diariamente para impedir que as pessoas se esqueçam que há problemas. Se o Governo quer que haja estabilidade na sociedade, devia pensar mais no que faz em lugar de tentar combater as pessoas que denunciam esses problemas. 

Sou Hei Lam

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Opinião

Liberalismo selvagem

Opinião

A Carne De Porco É Cara? Criemos Porcos!

Opinião

Pedido de Compensação Americano Terá Lugar Amanhã

Opinião

O caminho da montanha

Assine nossa Newsletter