MAIS DE 80 EMPRESAS LUSÓFONAS NA FEIRA INTERNACIONAL DE MACAU - Plataforma Media

MAIS DE 80 EMPRESAS LUSÓFONAS NA FEIRA INTERNACIONAL DE MACAU

 

Cerca de 60 empresas portuguesas, dez moçambicanas, dez brasileiras e cinco angolanas vão marcar presença este ano na Feira Internacional de Macau, entre 23 e 26 de outubro, que voltará a contar com um Pavilhão de Portugal e outro dedicado aos países de língua portuguesa.

 

A 19.ª edição da Feira Internacional de Macau (MIF, na sigla inglesa), que terá lugar no Venetian, entre os dias 23 e 26 de outubro, vai ter um Pavilhão de Portugal e outro dos países de língua portuguesa onde se espera estarem representadas mais de 80 empresas lusófonas, disse ao Plataforma Macau o presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal-China (AJEPC), Alberto Carvalho Neto.

“Para a MIF deste ano temos já 53 empresas portuguesas inscritas e esperamos chegar às 60”, apontou ao explicar que a delegação portuguesa “tem uma forte componente agrícola, ligada ao mundo do vinho, do azeite, produtos transformados como carnes e conservas, mas também tem uma grande componente multisetorial desde a moda a energias renováveis  e logística”.

De acordo com o dirigente associativo, há empresas portuguesas “de setores em que começam a surgir oportunidades na China, como a moda, que estão a começar a dar os primeiros passos no mercado e vêm a Macau pela primeira vez”, dando o exemplo de duas companhias de calçado que deverão marcar presença na MIF.

A presença empresarial portuguesa na MIF é este ano organizada pela AJEPC em cooperação com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e com o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM).

A AJEPC está também a desenvolver um trabalho de colaboração com outras associações lusófonas para o Pavilhão dos Países de Língua Portuguesa, no âmbito de protocolos estabelecidos, e, por isso, Alberto Carvalho Neto adiantou que “estão já inscritas dez empresas de Moçambique, cinco de Angola e do Brasil pensa-se contar com a participação de outras dez empresas”.

As empresas da lusofonia que estarão representadas em Macau “são sobretudo empresas de serviços à procura de parceiros”, pelo que o Pavilhão de Portugal também terá essa forte componente.

“Pretendemos, através do Pavilhão de Portugal, que empresas portuguesas se afirmem, juntamente com as de Macau, como plataformas para as empresas de Moçambique, Angola e Brasil conseguirem também entrar no mercado chinês”, apontou o dirigente associativo.

Durante a MIF, que este ano tem como tema “Cooperação – Chave para Oportunidades de Negócio”, a AJEPC vai também montar um showroom de produtos portugueses, sobretudo agroalimentares, onde serão promovidas empresas “que não conseguirão estar presentes na MIF, mas que enviaram as suas amostras”.

“Vemos Macau como uma grande plataforma. Estamos na MIF muito agressivos, da mesma forma que estamos na China. Não vamos para a feira para estarmos de braços cruzados, mas para podermos ter um ou dois almoços e três ou quatro jantares no mesmo dia com empresários chineses”, salientou Alberto Carvalho Neto.

O responsável constata, porém, alguma perda de quota de mercado pelos produtos portugueses em Macau. “Vemos as prateleiras em Macau e não vemos grandes produtos portugueses. Vemos, no entanto, os espanhóis a crescer, os franceses muito fortes”, disse, atribuindo a situação à “falta de empatia e sinergias entre o exportador [português] e o distribuidor” local. Neste contexto, a AJEPC tem agendada a assinatura de um protocolo durante a MIF com a Associação de Importadores e Exportadores de Macau.

As empresas portuguesas que vão marcar presença na MIF vão também participar em missões empresariais da AJEPC em Nashan, Zhuhai, Jiangmen e Shenzhen com importadores chineses. Uma outra missão, que conta já com 20 empresas portuguesas inscritas, vai depois da MIF a Zhejiang e a Pequim.

 

Patrícia Neves

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
Opinião

Liberalismo selvagem

Opinião

A Carne De Porco É Cara? Criemos Porcos!

Opinião

Pedido de Compensação Americano Terá Lugar Amanhã

Opinião

O caminho da montanha

Assine nossa Newsletter