Início » Costa adverte que é impossível autonomia estratégica da UE com protecionismo

Costa adverte que é impossível autonomia estratégica da UE com protecionismo

O ex-primeiro-ministro advertiu ontem que é impossível à União Europeia assumir-se como ator mundial geopolítico, com autonomia estratégica, se adotar um caminho de regresso ao protecionismo, e lamentou as resistências a um acordo com o Mercosul.

António Costa falava no Fórum de La Toja, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, num painel de debate em que também participaram os antigos primeiros-ministros Felipe Gonzalez, Francisco Pinto Balsemão e Mariano Rajoy, que foi moderado pela jornalista Teresa de Sousa.

Depois de Francisco Pinto Balsemão ter defendido um caminho para o federalismo na União Europeia e de Mariano Rajoy ter considerado urgente que os Estados-membros falem no mundo a uma só voz face a desafios colocados pela Rússia e China – além do crescimento de populismos a nível interno” -, o anterior primeiro-ministro português classificou como “desafiante o atual quadro europeu”.

A grande questão europeia, de acordo com António Costa, é a seguinte: “Se queremos ter autonomia estratégica, não podemos tê-la regressando ao protecionismo”.

“A autonomia estratégica da Europa implica uma abertura inteligente ao mundo. Isso significa termos acordos comerciais inteligentes com outros países do mundo, desde logo com a América Latina, que é extensão da Europa do outro lado do Atlântico. Se com eles não conseguimos fazer um acordo, com quem nós vamos conseguir fazê-lo? Vai ser com a China?”, questionou.

Sem falar especificamente na França, e tendo no seu painel o antigo chefe do Governo espanhol Felipe Gonzalez, António Costa referiu-se às resistências para um acordo entre a União Europeia e o Mercosul.

“As mesmas resistências que alguns tiveram para a adesão da Espanha à Comunidade Económica Europeia [na primeira metade da década de 80] verificam-se agora para bloquear o acordo com o Mercosul. Mas há uma questão essencial que temos de colocar na Europa: Queremos ser um ator geopolítico relevante, ou queremos ser um mercado interno?”, perguntou.

Plataforma

A grande questão europeia, de acordo com António Costa, é a seguinte: “Se queremos ter autonomia estratégica, não podemos tê-la regressando ao protecionismo”. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Ora, de acordo com o anterior líder do executivo, se a opção foi por um mercado interno, a prioridade é a proteção da produção interna “custe o que custar na relação com países terceiros”.

“Mas se queremos ser relevantes no plano geopolítico, então precisamos de mais aliados, mais amigos do que precisámos no passado. Vamos discutir o custo da importação da carne da Argentina e do Brasil, ou vamos compreender que precisamos do Brasil e da Argentina como aliados fundamentais se não queremos ser esmagados entre uma enorme China, uns Estados Unidos que vão resistindo no ocidente e a Europa que vai encolhendo?”.

Para o ex-primeiro-ministro, há dificuldades no caminho para a adoção de uma política externa e de defesa comum na União Europeia.

“Todos estão de acordo que é necessária, mas o problema é que a visão do mundo de cada um dos 27 [Estados-membros] é marcada necessariamente pela sua própria experiência histórica. E não é por acaso que Portugal e Espanha são países tradicionalmente fomentadores do consenso no quadro europeu, porque não apresentam interesses relevantes que os dividam face a outros países e porque possuem uma visão bastante distanciada de conflitos que marcaram a Europa central e de leste”, alegou.

Neste contexto, apontou o exemplo da Polónia, defensora do apoio militar à Ucrânia, mas que, ao mesmo tempo, quer fechar as fronteiras aos ovos, galinhas e cereais provenientes da Ucrânia.

“Para um português ou para um espanhol isto é incompreensível. Mas eles acham tão essencial ganhar a guerra [na Ucrânia], como proibir essas importações. Esta é uma pequena ilustração do exercício prático da dificuldade”, referiu.

António Costa traçou em seguida diferenças estruturais de vivência histórica entre os dois países ibéricos e Estados-membros do leste europeu.

Portugueses e espanhóis “já andaram pelo mundo como descobridores, como colonizadores e como emigrantes. Temos uma forma de olhar para o mundo muito distinta”, sustentou, antes de avançar com um novo exemplo, desta vez citando um líder político polaco.

Em Portugal e na Espanha, ser ou não católico é uma questão de fé, “mas na Polónia é uma questão de identidade, porque é por sermos católicos que nos distinguimos dos alemães que são protestantes, dos russos que são ortodoxos e dos turcos que são muçulmanos”.

 Na perspetiva do ex-primeiro-ministro, portugueses e espanhóis andam pelo mundo há vários séculos.“Estamos mais habituados a fazer um esforço para compreender os outros que têm estado fechados e enclausurados entre vários impérios que os tentam esmagar. Temos de compreender a História”, acrescentou.

Plataforma com Lusa

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!