Início Macau Procriação assistida exclui solteiros e homossexuais

Procriação assistida exclui solteiros e homossexuais

O presidente da Comissão de Ética para as Ciências da Vida, Kuok Cheong U, afirmou que a procriação medicamente assistida só está disponível para quem está casado ou vive em união de facto. Essa condição exclui o uso destas técnicas por parte de pessoas solteiras e de homossexuais

O médico recém-nomeado para presidir a nova comissão limitou-se a repetir o que ficou previsto na lei, elaborada no ano passado. Os Serviços de Saúde emitiram um comunicado sobre a primeira reunião desta comissão, onde Kuok salientou que só vão aceitar a utilização de técnicas de procriação medicamente assistida para tratamento de infertilidade de casados ou pessoas em união de facto.

Essa condição exclui automaticamente pessoas solteiras ou homossexuais, já que estes últimos, ao abrigo da lei local, não se podem casar ou viver em união de facto.
Segundo o responsável, será ainda feita uma análise das doenças que podem representar um risco para a procriação natural, para prevenir o “uso abusivo ou irracional” destas técnicas. O regime em vigor, segunda a nota oficial dos Serviços de Saúde, tem como referência leis do Interior e regiões vizinhas.

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!