Governo brasileiro considera exageradas exigências ambientais da UE

O ministro da Agricultura brasileiro, Carlos Fávaro, afirmou hoje que as exigências ambientais da União Europeia (UE) para o acordo comercial com o Mercosul são um "exagero" e opta pela abertura de outros mercados se persistirem com essas reivindicações.

por Nelson Moura

Fávaro, ex-senador e produtor agrícola, garantiu numa entrevista coletiva em São Paulo que o Brasil está “aberto a negociações”, mas rejeitou a tentativa da UE de introduzir no tratado em discussão a possibilidade de sancionar produtos provenientes de áreas desflorestadas.

O ministro brasileiro considerou essas tentativas uma afronta às regras da Organização Mundial do Comércio e justificou o “discurso altivo” do Presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, nas suas conversas com líderes europeus.

“Se permanecer o exagero da UE, estamos trabalhando em novas aberturas [de mercados], em um novo cenário mundial”, disse Fávaro, referindo-se ao BRICS, grupo de economias emergentes do qual o Brasil faz parte com Rússia, Índia , China e África do Sul.

O ministro destacou que o Brasil já tem um código florestal “altamente restritivo” que obriga os agricultores da Amazónia a deixar 80% da vegetação das suas terras intocada.

Fávaro afirmou que o Brasil “entregou de graça” o código florestal “em detrimento” dos agricultores brasileiros da região e em prol do “bem-estar de quem está na Europa”.

“O acordo não tem uma palavra sobre inclusão social, só tem obrigações ambientais”, criticou o ministro brasileiro.

Por outro lado, reconheceu que o país sul-americano, um dos maiores produtores agrícolas do mundo, ainda pode avançar na rastreabilidade das suas colheitas para garantir a sua origem legal.

Cabe ao Brasil, que ocupa a presidência ‘pro tempore’ do Mercosul (bloco formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), propor aos demais membros uma resposta às novas demandas ambientais que ainda não foram enviadas à União Europeia.

Apesar das diferenças, tanto os governos do Mercosul quanto a Comissão Europeia disseram esperar assinar o acordo comercial antes do final do ano.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!