Início » Rendas das habitações em Macau caíram 12,8% em 2022

Rendas das habitações em Macau caíram 12,8% em 2022

As rendas das habitações em Macau caíram 12,8% no ano passado, sobretudo devido ao desemprego no território chinês, mas deverão voltar a subir, entre 5% e 10% em 2023, avançou hoje a imobiliária JLL.

O diretor-geral da JLL para Macau e Zhuhai, Oliver Tong, apontou como fatores na queda do valor das rendas a subida do desemprego e a partida de milhares de trabalhadores sem estatuto de residente, “grandes contribuidores” para o mercado do arrendamento.

De acordo com dados oficiais, a região chinesa perdeu quase 16.200 trabalhadores não-residentes ao longo de 2022, enquanto a taxa de desemprego entre outubro e dezembro fixou-se em 3,5%, mais 0,4 pontos percentuais do que no final de 2021.

A queda das rendas é uma “grande razão para alarme”, disse Tong numa conferência de imprensa, alertando para “o elevado risco” de não pagamento de hipotecas imobiliárias para o sistema bancário de Macau.

O crédito vencido nos bancos de Macau atingiu um novo recorde em dezembro, 19,4 mil milhões de patacas (2,25 mil milhões de euros), mais 32,8% do que no mês anterior, de acordo com dados oficiais.

“O mercado imobiliário de Macau deverá recuperar com mais transações de arrendamento residencial face à reabertura das fronteiras”, disse Oliver Tong.

Tal como a China continental, Macau, cuja economia depende do turismo, abandonou em meados de dezembro, após três anos, a política de ‘zero covid’, com a imposição de quarentenas e testagem massiva.

No entanto, Tong alertou que a situação do emprego “não vai melhorar do dia para a noite” e que as taxas de juro “deverão continuar a um nível elevado a curto prazo”.

A Autoridade Monetária de Macau anunciou em 05 de fevereiro uma nova subida da principal taxa de juro de referência para 5%, o nível mais alto desde dezembro de 2007.

O relatório da JLL estima, por outro lado, que o valor das habitações em Macau caiu 10,1% em 2022, porque “os investidores e potencial compradores tenderam a ser cautelosos face à crise económica”.

“O preço das habitações só voltará a uma tendência de crescimento no próximo ano ou mais tarde”, disse Oliver Tong, que prevê uma escassez de nova oferta residencial privada “a curto e médio prazo”.

O analista acrescentou que a oferta de habitação será “dominada por habitação pública”, dando como exemplo o chamado Novo Bairro de Macau, em Hengqin (Ilha da Montanha), que deverá ser posto à venda este ano.

Também as rendas de lojas em Macau caíram 15% em 2022, devido ao impacto da pandemia de covid-19, “uma economia fraca e queda na procura por parte dos consumidores”, referiu o relatório da JLL.

No entanto, Oliver Tong disse esperar uma recuperação entre 10% e 15%, nas rendas das lojas, uma vez que os turistas têm regressado a Macau “mais rapidamente e em maior número do que o esperado”.

Mais de um milhão de turistas visitaram a cidade em janeiro, numa subida de 101,3% em termos anuais e de 259% em termos mensais, de acordo com dados oficiais divulgados na segunda-feira.

Os relatórios da JLL, divulgados duas vezes por ano, são a única fonte credível de informação sobre os preços das rendas imobiliárias em Macau, uma área sobre qual a Direção do Serviço de Estatísticas e Censos não recolhe dados.

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!