Apesar da pandemia, número de empresas cresceu em Portugal em 2020

Apesar da pandemia, número de empresas cresceu em Portugal em 2020

O ano de 2020 ficou marcado pelo “forte impacto negativo” da pandemia na economia nacional, com o confinamento obrigatório imposto para controlar a covid-19 a gerar uma “forte contração da grande maioria dos ramos da atividade económica”, pelo que, não admira que o volume de negócios das empresas não financeiras em Portugal tenha caído 10% e o valor acrescentado bruto recuado 9,8%, indicadores que, no ano anterior, haviam crescido 4% e 5,8%, respetivamente. Mas, apesar disso, o número de empresas cresceu 2,6%, ascendendo a 450.416 unidades.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística, que hoje publicou os dados definitivos das empresas em Portugal relativos a 2020, a redução do valor acrescentado bruto (VAB) “refletiu-se sobretudo no excedente bruto de exploração (-17,2%), visto que os gastos com o pessoal diminuíram apenas 1,7%, tendo-se reduzido em 2,0% o pessoal ao serviço”.

Foram as empresas de grande dimensão aquelas que registaram variações mais negativas, com decréscimos de 12,4% no VAB, de 13,7% no volume de negócios e 3,8% no pessoal ao serviço. Números que comparam, no caso das PME, com uma quebra de 8,4% no VAB, de 7,4% na faturação e de 1,5% no emprego. Sem surpresas, foi no Alojamento e Restauração que ocorreu a maior descida no VAB, com menos 53,9% face a 2019. Mas houve setores que cresceram, como a Informação e Comunicação e a Energia e Água que registaram aumentos no VAB de 11,2% e 1,4%, respetivamente.

Já as empresas financeiras tiveram, em 2020, primeiro ano de pandemia, reduções de 2,5% do VAB e de 13% do volume de negócios.

Diz o INE que, em 2020, houve 35.610 sociedades não financeiras a iniciar atividade, o que corresponde a uma taxa de natalidade de 7,9%, que compara com os 10,5% de 2019. No mesmo período desapareceram 24.941 sociedades, sendo a taxa de mortalidade de 5,5%, 0,4 pontos percentuais abaixo do ano anterior. Estas mortes representaram uma redução no número de trabalhadores de 56.433, levando, ainda, a uma perda de 2.155 milhões de euros no volume de negócios.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Related posts
MacauSociedade

Universidade de Macau aposta na internacionalização

AngolaPolítica

UNITA diz que Tribunal Constitucional aceitou providência cautelar

AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

MundoSociedade

Inverno: não vacinados podem originar novas vagas de covid-19

EconomiaPortugal

Corte de gorduras pode pagar 45% do custo da guerra

ChinaSociedade

Casos de covid-19 crescem em Xangai apesar do confinamento

MundoPolítica

Desigualdades aumentaram pós-covid apesar de promessas de Estados e empresas

Assine nossa Newsletter