Inverno: não vacinados podem originar novas vagas de covid-19 -

Inverno: não vacinados podem originar novas vagas de covid-19

“Mais de 72% da população total da União Europeia recebeu a vacinação primária completa e mais de metade recebeu uma dose de reforço” contra a covid-19, mas “mais de 100 milhões de europeus ainda não estão vacinados ou estão apenas parcialmente vacinados”, disse hoje a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

Intervindo no Conselho de Ministros da Saúde da UE sobre a situação humanitária e sanitária na Ucrânia e também consagrado à covid-19, a responsável europeia pela tutela alertou que “a pandemia ainda está na Europa e as infeções estão novamente a aumentar”, pelo que os Estados-membros têm de “estar preparados para possíveis crises”.

“Temos de ter em conta os pedidos de cautela dos especialistas. A covid-19 ainda não terminou e a Ucrânia e o afluxo de milhões de pessoas [que chegam à UE] trazem uma camada adicional de urgência ao nosso trabalho para assegurar a sua proteção com a vacinação”, vincou.

Exortando os ministros europeus da tutela a preparar já o próximo outono e inverno, nomeadamente aumentando as taxas de vacinação anticovid-19, Stella Kyriakides alertou que “não há lugar para a complacência”.

“Muitos de vós estão a transitar para uma nova fase, uma possível fase endémica do vírus e a levantar as restrições ainda existentes e isto é compreensível porque as pessoas estão cansadas e as economias estão esgotadas”, mas “temos de ter cuidado ao levantar as restrições demasiado depressa”, disse Stella Kyriakides, dirigindo-se aos ministros europeus.

E pediu: “Temos de aumentar as taxas de vacinação que, em combinação com a imunidade natural de infeções passadas, nos levará de volta a uma normalidade sustentável”.

“Não podemos abrandar neste esforço e quanto mais aumentarmos a cobertura vacinal, mais pacífico será o próximo inverno”, salientou.

Até agora, a UE doou mais de 400 milhões de doses de vacinas anticovid-19 a países de todo o mundo, além de exportar mais de metade da sua produção.

Leia mais em Jornal de Notícias

Related posts
AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

ChinaSociedade

Casos de covid-19 crescem em Xangai apesar do confinamento

ChinaSociedade

Xangai confinada para conter maior foco de covid-19 na China

AngolaLusofonia

Pandemia desafia sistemas de saúde dos países da CPLP

Assine nossa Newsletter