Serviços de saúde em Moçambique recusam grávidas em fuga

Serviços de saúde em Moçambique recusam grávidas em fuga

Serviços locais de saúde em algumas aldeias de Palma, localizadas em Cabo Delgado, recusaram atender grávidas em fuga, descreve um relatório de organizações humanitárias que alerta para o aumento de conflitos entre deslocados e comunidades de acolhimento

Em Cabo Delgado, há “provas de discriminação contra deslocados foram mencionadas em relação a prestadores de serviços. Mulheres grávidas ou que acabaram de dar à luz relataram ter caminhado durante cinco horas até serviços de saúde para serem rejeitadas”, descreve o documento sobre uma missão liderada pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

“A tensão entre anfitriões e deslocados foi identificada e pode tornar-se numa grande preocupação” ligada à “falta de acesso a serviços básicos” e devido a “assistência e recursos naturais limitados”, de acordo com as reuniões e conversas mantidas pelas organizações humanitárias com a população de Moçambique.

“Ambas as comunidades”, anfitriões e deslocados, “sentem que as relações são negativas e parecem estar a deteriorar-se”, lê-se no relatório.

Há líderes comunitários que negam o acesso de crianças à escola e promovem a exclusão das famílias deslocadas das listas de distribuição de alimentos e outros bens, ouviram os agentes humanitários.

Segundo outro relato, na aldeia de Monjane (ou Mondlane) os deslocados são acusados ​​de destruir mudas de caju da comunidade anfitriã e de ocupar casas e abrigos

O relatório sugere que sejam identificados os principais intervenientes na tensão entre comunidades por forma a “desenvolver um plano de coesão social”.

A tarefa requer maior presença de organizações humanitárias em cooperação com o Governo, o que ainda é difícil por causa dos receios de segurança na zona, lê-se no relatório.

O aumento de conflitos internos é um reflexo de problemas estruturais reiterados no documento: falta comida, serviços básicos, há traumas de guerra e riscos sérios de violência e abusos sexuais contra mulheres e crianças, por vezes por nem sequer haver noção de que não devem ser permitidos.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Related posts
MacauSociedade

Saúde de Macau rejeita vacinação ou teste obrigatório em crianças

LusofoniaMoçambique

Galp aponta paz como condição para investimentos em Moçambique

MundoSociedade

Rastreios de VIH pode aumentar infeções por décadas

EconomiaMundo

Ambiente descontraído na Cimeira dos Três Amigos

Assine nossa Newsletter