Banco Mundial doa 83 milhões para Moçambique apoiar empresas - Plataforma Media

Banco Mundial doa 83 milhões para Moçambique apoiar empresas

O Banco Mundial aprovou uma doação financeira de 100 milhões de dólares (83 milhões de euros) da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) para um projeto do Governo moçambicano de apoio a empresas do país, anunciou hoje em comunicado.

O projeto intitulado Ligações para a Diversificação Económica pretende apoiar micro, pequenas e médias empresas a serem fornecedoras de empresas de maior dimensão, explicou o BM.

O apoio pretende ainda servir as cidades em crescimento no centro e norte de Moçambique, “promovendo assim ligações e diversificação económica”, acrescenta.

“O crescimento de Moçambique tem sido impulsionado por Investimento Direto Estrangeiro (FDI) em indústrias de capital intensivo, o que não se traduz em níveis adequados de criação de empregos”, explicou no comunicado Idah Z. Pswarayi-Riddihough, diretora do BM para Moçambique.

Apoiar as empresas de menor dimensão “é um fator chave de diversificação económica, criação de empregos, crescimento inclusivo e mitigação de fragilidades. Este é precisamente o objetivo deste projeto”, concluiu.

As áreas geográficas prioritárias do projeto incluem as províncias de Cabo Delgado, Nampula e Tete, “onde as taxas de pobreza são altas e as oportunidades de ligações económicas são significativas”.

O BM nota que a operação está alinhada com “o novo enfoque de prevenção de conflitos e construção de resiliência das atividades do Banco Mundial em Moçambique”.

O novo apoio surge depois de o Banco Mundial ter anunciado em abril um apoio de 800 milhões de dólares (662,9 milhões de euros) para Cabo Delgado em articulação com a Agência de Desenvolvimento Integrado do Norte (ADIN) – que por sua vez disse esperar mais 300 milhões (248,6 milhões de euros) adicionais, totalizando 1,1 mil milhões (911,5 milhões de euros) para a apoio de emergência e ao desenvolvimento daquela região.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.500 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 714.000 deslocados, de acordo com o Governo moçambicano.

Um ataque a Palma, junto ao projeto de gás em construção, a 24 de março provocou dezenas de mortos e feridos, sem balanço oficial anunciado.

As autoridades moçambicanas anunciaram controlar a vila, mas o ataque levou a petrolífera Total a abandonar o recinto do empreendimento que tinha início de produção previsto para 2024 e no qual estão ancoradas muitas das expectativas de crescimento económico de Moçambique na próxima década.

Assine nossa Newsletter