Risco de morte chega ao dobro. Doentes mentais graves fora das prioridades de vacinação - Plataforma Media

Risco de morte chega ao dobro. Doentes mentais graves fora das prioridades de vacinação

Estudo europeu conclui que a maioria dos países – incluindo Portugal – exclui doentes mentais graves da vacinação prioritária contra a Covid-19.

Um estudo publicado na revista científica Lancet Psychiatry crítica os vários países europeus que excluem quem tem doenças mentais graves do grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19.

O artigo assinado por 18 investigadores revela que as pessoas com doença mental grave – esquizofrenia, doença bipolar ou depressão muito grave – têm maior ou igual risco de internamento e morte por Covid que pessoas com outras doenças crónicas como as doenças cardíaca ou renal grave, incluídas, em Portugal, na fase 1 de vacinação.

Pelo contrário, as doenças mentais graves nem na fase 2 do plano nacional de vacinação estão incluídas, numa desvalorização comum a 16 dos 20 países europeus analisados.

Marisa Casanova Dias, vice-presidente da Organização Europeia de Médicos Especialistas de Psiquiatria e coautora do estudo, refere à TSF que “é preciso corrigir urgentemente esta desigualdade. É incompreensível que tantos países, incluindo Portugal, continuem a ignorar a evidência científica e a não priorizar as pessoas com doença mental nas estratégias de vacinação”.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Mais de metade da população considera que os políticos não devem ter prioridade na vacinação

PortugalSociedade

Reino Unido e Itália com mais impacto no início da pandemia em Portugal

PortugalSociedade

Quase menos 200 mil consultas e menos 21 mil cirurgias só em janeiro

PortugalSociedade

46% dos portugueses antecipam confinamento até à Páscoa

Assine nossa Newsletter