Aterros da discórdia - Plataforma Media

Aterros da discórdia

O ambientalista Joe Chan alerta para a destruição da vida marinha e de como se está a usar os aterros para resolver o problema grave da poluição. O arquiteto Nuno Soares defende que podem ser benéficos. António Trindade diz que não têm sentido. Governo desvaloriza motivos de preocupação.

Os Novos Aterros terão 350 hectares e várias zonas. Na A, 30 dos terrenos estão destinados a 28 mil fogos de habitação pública e mais quatro mil privadas. Estes são os mais recentes numa terra que tem feito da reclamação ao mar o recurso para crescer.

Sem explicar ou detalhar, os Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes e os Serviços de Protecção Ambiental referem que, em 2007, o Governo incumbiu uma entidade especializada em estudos científicos para elaborar um relatório sobre o uso das áreas marítimas para novos aterros urbanos e o impacto ambiental (VER CAIXA). “A conclusão da análise refere que devido ao período de execução da obra ser curto, após a conclusão, qualquer impacto que haja desaparecerá”, asseguram os serviços numa resposta conjunta.

O ambientalista Joe Chan contesta e afirma que os aterros são sempre nocivos porque alteram o ecossistema original e reduzem a biodiversidade. “Há cada vez mais, o que compromete a vida dos golfinhos e de outras espécies marinhas. Macau produzia algas e ostras, mas por causa da contínua reclamação de terras ao mar, essas espécies e o camarão são raros.”

Ainda assim admite que há formas de minimizar o impacto. “Noutros territórios, existe a preocupação de melhorar a circulação da água e o número de espécies. É consensual entre ambientalistas que se deve sempre limitar a zona de intervenção e evitar os aterros exceto quando são mesmo necessários”, vinca. A escassez de solo e o crescimento da população, acrescenta, fazem com que os aterros pareçam inevitáveis. “Mas não são. Se houvesse uma gestão mais eficiente dos terrenos e um plano relativo ao crescimento populacional por parte do Governo, seriam dispensáveis.”

Embora ressalve que a zona onde estão a ser construídos os aterros em frente à Taipa e Macau já tenham uma sedimentação enorme, o engenheiro António Trindade reitera que há sempre impacto na vida marítima.

Ao rol de problemas que causam transtornos ambientais acrescenta a origem e transporte da areia. “Há um impacto duplo, tanto que a China proibiu a extração de areia em Cantão, Fujian e noutros sítios. É completamente questionável em termos económicos, de exequibilidade e velocidade. Haverá outras soluções”, garante. “E 80 por cento do aterro não é necessário porque essa areia vai ter de ser tirada depois para se construírem os edifícios”, afirma o presidente da CESL-Ásia.

O arquiteto Nuno Soares recorda que há uma longa tradição de aterros na região e defende que se deve considerar a situação específica de Macau, onde as águas são muito baixas.

Concorda que há problemas graves como a introdução de muitos resíduos na água, o movimento de terras que altera a química da mesma, a alteração do habitat – que deixa de ser marinho para passar a ser terrestre -, e a poluição que resulta da técnica escolhida e da origem da areia. “A técnica com menor impacto é quando se limita a periferia do espaço que se pretende aterrar e se cria uma barreira exterior”, explica. “Outro dos problemas é a dinâmica hidráulica. A partir do momento em que o canal é mais estreito, a velocidade da água vai aumentar e tem um impacto em situações de cheia. Tem de se ter isto em atenção”.

Apesar de reconhecer as desvantagens, refere que a questão dos aterros é completamente diferente em Macau e Hong Kong, onde são polémicos por serem dispendiosos e construídos em águas profundas. “Em Macau é uma técnica que tem sido usada nos últimos dois séculos e a cidade que temos hoje só é possível graças aos aterros”.

Alternativas

Nuno Soares lembra que Macau tem um limite administrativo e que se a população continuar a crescer – como acontece agora na ordem dos cinco por cento anuais -, as alternativas que sobram são construir em zonas protegidas como Coloane – “E não acho que seja desejável” -, alterar o uso dos espaços para passarem a ser habitacionais e aumentar a densidade, construindo edifícios mais altos. “Sob o ponto de vista ecológico, não temos uma alternativa melhor que o aterro. Mas é muito importante que haja um uso eficiente do que existe”, aponta.

Trindade é categórico: “Não faz sentido, sobretudo os aterros que são exclusivos para edifícios”. Porque é que o Governo insiste? “Não faço a mínima ideia”, responde, entre risos.

O engenheiro recorda soluções que foram aplicadas noutras zonas da cidade como numa parte da Praia Grande, onde em vez de aterros se construiu um género de base com caixões e pilares sobre os quais foram erguidos os edifícios do New Yahoon, Grand Emperor, AIA Tower, entre outros. “Por baixo é água e cá está”, vinca.

Agora que se fala na Grande Baía, Trindade diz que os aterros perdem ainda mais fundamento. “Não faz sentido se olharmos para Henqin e para a disponibilidade da China para que seja uma zona de expansão de Macau”, critica.

Com ou sem espaço disponibilizado pelo Continente, o engenheiro defende que o território não pode continuar a insistir numa perspetiva de eterno crescimento. “Macau é o que é.” Planear a 20, 30 anos, aponta, é outra solução que tem sido desleixada. “O que foi feito agora é apenas conceptual.”

Joe Chan alinha e refere o caso de Singapura, que apesar de recorrer frequentemente aos aterros, não descura o planeamento e gestão em prol da população. “O plano urbanístico de Singapura é pensado a 60 anos”, diz. “Macau, em oposição, não usa as terras de forma eficiente e em benefício da comunidade”.

O que o Governo não diz

Para Chan, o Executivo tem sabido capitalizar os aterros face à ausência de controvérsia na sociedade e de serem oportunidades para mais postos de trabalho e negócios, apesar dos custos elevados que acarretam.

Mas há mais, indica. Os aterros também têm sido a forma de o Governo resolver outras dores de cabeça. “Não tem para onde levar a enorme quantidade de lixo acumulada no rio e os aterros são a solução perfeita para esconder o problema”, alerta.

Sabe que os aterros foram e continuarão a ser indissociáveis do desenvolvimento da cidade, mas exige um planeamento científico e cuidado.

Nuno Soares concorda que tem de haver seriedade ao contrário do que sucedeu, por exemplo, com os aterros da Praia Grande, construídos nos anos 90. “Na altura, dizia-se que era urgente porque a população estava a crescer e agora vemos que estão desocupados. Não há habitação nessa zona. Há os tribunais, os bombeiros e mais nada. Temos de ser sérios.”

Para o arquiteto só se deve avançar se houver um verdadeiro motivo – que neste caso, a seu ver, existe dado que a população está a aumentar; um bom uso – “Não podemos fazer aterros, com todo o impacto ambiental e económico que implicam, e depois serem desaproveitados.Tem de haver logo um planeamento do uso e das funções”; uma técnica adequada – que deve reduzir ao máximo o uso de químicos e limitar a área de intervenção; e um plano para o pós-aterro. “E esta é uma discussão que habitualmente não ouço. Os aterros têm o potencial de destruir o habitat marinho, mas também de o reconstruir. É um imperativo ético que haja um plano para depois, e que as condições sejam melhores para a fauna e flora se desenvolverem”, defende.

Pensar é preciso

Joe Chan insiste que se devem procurar mecanismos que reduzam o impacto ambiental. Exemplifica com a construção de mais habitats costeiros para a vida marinha e soluções artificiais que imitam o ambiente natural. “Ainda assim, os aterros nunca poderão ser uma solução de longo prazo para o desenvolvimento de Macau”, defende.

Já para Nuno Soares [os aterros] “podem ser uma solução, em vez de um problema.” Por exemplo, se forem usados para acolher infraestruturas necessárias como as de tratamento de águas residuais – que Macau não consegue dar resposta -, e para definir a relação que a região quer ter com a água. “Macau é um porto, mas está afastada do rio. Tem de haver espaços para atividades marítimas, desportivas, de contemplação, de restauração e mesmo edifícios públicos para reaproximar a vida quotidiana da água”, atesta.

Fundamental para Nuno Soares é ainda ouvir os pescadores, que vivem da água, conhecem o rio e terão uma opinião construtiva. O arquiteto remata: “Qualquer intervenção tem um impacto negativo, mas a ambição deve ser diminuir ao máximo esse impacto durante a intervenção e aumentar as condições no pós”.

CAIXA: O que diz o estudo

No resumo sobre o estudo encomendado pelo Governo sobre os Novos Aterros, refere-se que se pretende que sirva de base para medidas que assegurem o aspeto hidrodinâmico e ecológico do domínio hídrico envolvente. Entre outros pontos, a análise teve em conta o método de execução das obras de recolha e drenagem das águas, as principais fontes de poluição, assim como a composição e as características das águas residuais que afetam o ecossistema aquático. As conclusões relativas à Zona A penderam para um controlo por meio de comporta e a construção de um mangal artificial de 14 hectares “de modo a eliminar parte das fontes poluentes superficiais, evitando assim a acumulação e criando uma bela paisagem ecológica”, lê-se no documento.

O sistema de comporta também será aplicado nas Zonas C,D e E. “Serão executadas três comportas que, juntamente com a Taipa, formarão um lago interno (…) Será possível aproveitar a diferença da maré para assegurar a qualidade da água do lago formando assim uma paisagem de lazer”.

No resumo sobre os estudos refere-se ainda que também se sugeriu a instalação de equipamentos para retenção de resíduos sólidos, de infraestruturas para recolha e tratamento das águas residuais para impedir que poluam o mar, e a introdução de um modelo inovador de baixo impacto que permitirá a construção de um ecossistema aquático natural, além de mais cooperação regional para se minimizar o impacto ambiental.

O estudo foi encomendado à Academia Chinesa de Planeamento Urbano e Design (China Academy of Urban Planning and Design, na versão em língua inglesa).

Artigos relacionados
Portugal

Jornalista portuguesa Catarina Canelas (TVI) vence Prémio Rei de Espanha Ambiental

Brasil

Desastre da Brumadinho foi provocado pela ação da empresa Vale

MundoPolítica

UE/Presidência: Costa e Timmermans abrem hoje conferência sobre alterações climáticas

MoçambiqueSociedade

Encontrados mortos mais de 100 golfinhos na ilha de Bazaruto

Assine nossa Newsletter