Cabo Delgado: Marinha de Guerra reforçou o porto de Mocímboa da Praia - Plataforma Media

Cabo Delgado: Marinha de Guerra reforçou o porto de Mocímboa da Praia

O ministro da Defesa de Moçambique disse ontem que a Marinha de Guerra reforçou a fiscalização no porto de Mocímboa da Praia, ocupado em agosto por insurgentes, considerando que, embora existam rebeldes no distrito, a infraestrutura está controlada.

“O porto não continua com o inimigo. Eles andam por lá [no distrito] sim , um e outro, e, se calhar, promovem as suas atividades lá, mas a Marinha de Guerra fortificou o seu trabalho de fiscalização”, disse Jaime Neto, em declarações à comunicação social na província da Zambézia, à margem da cerimónia do lançamento do recenseamento para o serviço militar.

Na noite de 12 de agosto, os grupos armados que têm protagonizado ataques em Cabo Delgado invadiram o porto de Mocímboa da Praia e os confrontos com as Forças de Defesa e Segurança deixaram um número desconhecido de mortos, incluindo elementos da força marítima, além de várias infraestruturas destruídas.

Segundo o ministro da Defesa, na altura, os insurgentes infiltraram-se nas comunidades, comandando ataques contra as forças governamentais de dentro para fora do distrito, o que facilitou a sua permanência no local por “muito tempo”.

“Eles estavam a combater de dentro do distrito para fora e isso, de certo modo, criou condições para que eles pudessem se estabelecer durante muito tempo ali. Nós acreditamos que um e outro [insurgente] ainda continua no distrito e nós estamos a fazer o esforço para o recuperar e colocar todas as instituições a funcionarem”, declarou Jaime Neto.

A vila costeira de Mocímboa da Praia é uma das principais da província de Cabo Delgado, situada 70 quilómetros a sul da área de construção do projeto de exploração de gás natural conduzido por várias petrolíferas internacionais e liderado pela Total.

A vila tinha sido invadida e ocupada durante um dia por rebeldes em 23 de março, numa ação depois reivindicada pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, e foi, em 27 e 28 de junho, palco de longos confrontos entre as forças governamentais e os grupos insurgentes.

Nas declarações de hoje, o ministro da defesa de Moçambique reiterou que as motivações destes grupos continuam incertas, mas as Forças de Defesa e Segurança desdobram-se em operações para “aniquilar o inimigo”.

“Algumas vezes eles atacam as nossas posições, mas as nossas forças estão em prontidão para responder a qualquer fogo do inimigo. A moral da nossa força é boa e eles estão a fazer tudo para que qualquer parte do nosso território não seja ocupada pelo inimigo”, declarou Jaime Neto.

O governante acrescentou que os líderes destes grupos são provenientes de várias partes do continente africano e têm recrutados jovens moçambicanos para protagonizar ataques em Cabo Delgado.

A violência armada em Cabo Delgado começou há três anos (com um primeiro ataque em Mocímboa da Praia) e está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Augusto Santos Silva em missão da UE até quinta-feira em Maputo

MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

Assine nossa Newsletter