Sobe a ameaça de milícias e facções criminosas sobre o processo eleitoral do Rio e São Paulo - Plataforma Media

Sobe a ameaça de milícias e facções criminosas sobre o processo eleitoral do Rio e São Paulo

Grupos criminosos compram votos, ameaçam moradores e matam adversários nas duas cidades mais populosas do Brasil

Neste domingo (15) será ainda maior do que nos últimos pleitos a ameaça que milícias e facções do tráfico de drogas impõem à segurança do processo eleitoral em cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo.

No Rio, há décadas esses grupos criminosos interferem nas eleições, comprando votos, ameaçando moradores, garantindo que apenas candidatos de sua preferência façam campanha nos territórios que dominam, e matando adversários.

Desde os anos 1990 é comum observar, especialmente na Baixada Fluminense, a entrada de milicianos nas casas legislativas e nas prefeituras da região.

Em 2020, no entanto, a ameaça das milícias está ainda mais evidente, diante da expansão recente das atividades econômicas e do poderio desses grupos. O sociólogo José Cláudio Alves, que estuda o tema há mais de duas décadas, diz que esse ano é o momento de “apoteose” das milícias.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Onda antipolítica de 2018 perde fôlego, e candidatos bolsonaristas encalham nas capitais

BrasilLusofonia

Negros tiveram menos de 30% de vagas e verbas na última disputa às prefeituras

Política

Em briga com governadores, Bolsonaro faz campanha para dizer que é dono do auxílio emergencial

Assine nossa Newsletter