A Lua que ilumina a Terra Sagrada - Plataforma Media

A Lua que ilumina a Terra Sagrada

Hoje, dia 1 de outubro, marca o 71o aniversário da criação da República Popular da China. Este ano as celebrações não vão durar cinco a dez dias, não va- mos assistir a nenhum desfile militar em frente a Tiananmen, na avenida Chang’an em Pequim.

Mesmo assim não deixa de ter lugar a cerimónia de hastear da bandeira na praça. Este ano o presidente Xi Jinping não irá discursar perante a população e as forças militares do país, mas recentemente, no discurso no 75º aniversário da ONU, prometeu ao mundo que a China irá, ao longo dos próximos 40 anos, continuar a contribuir para a resolução de grandes preocupações globais como as alterações climáticas, implementando medidas mais severas para que as emissões de dióxido de carbono no país deixem de subir antes de 2030 e seja completada a neutralida- de de carbono até 2060.

A promessa de Xi Jinping significa que todas as emissões nacionais, das indústrias e dos indivíduos, durante um determinado espaço de tempo, serão depois contrabalançadas através da plantação de árvores, poupança de energias, entre outros métodos.

Ou seja, a China, um dos países com maior produção industrial e maior população, compromete-se a atingir uma pegada de carbono líquida zero até 2060. Após 30 anos, finalmente o país pode fazer tal promessa ao resto do mundo.

Este ano, o dia nacional coincide ainda com o Festival de Meio do Outono, a terceira das quatro vezes que isso acontece este sé- culo (1982, 2001, 2020 e 2031). Deus foi ge- neroso comigo, deixando-me experienciar três destes acontecimentos, e embora não possa prever se cá estarei para o viver uma quarta vez, estou certo de que o céu sobre esta terra divina estará mais brilhante do que nunca.

Com o compromisso do Gover- no central chinês no 14o Plano Quinquenal (que inclui uma pegada de carbono líquida zero), tenho a certeza de que a China nunca voltará atrás com a palavra e o objetivo será atingido. A lua que ilumina o país irá brilhar ainda mais ardentemente.

*Editor Sénior do canal chinês do Plataforma

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
Opinião

A elite escolhida por Biden

Opinião

Pisando o limite

Opinião

Ainda não chegou ao fim?

Opinião

Problemas na cooperação económica e comercial entre a China e o Brasil

Assine nossa Newsletter