Incêndios 'zumbis' na Sibéria são alimentados pela mudança climática -

Incêndios ‘zumbis’ na Sibéria são alimentados pela mudança climática

Grigori Kuksin move com uma pá a terra fumegante de um pântano na Sibéria. Junto a um pequeno grupo de voluntários, este bombeiro russo combate o temido incêndio, que resiste durante o inverno, e uma verdadeira “bomba climática”.

“São incêndios subterrâneos, incêndios zumbis (ou hibernantes)”, explicou à AFP o profissional de 40 anos, chefe da unidade contra incêndios florestais da ONG Greenpeace

É preciso entrar na reserva natural de Suzunski, 130 km ao sul de Novosibirsk, a terceira maior cidade da Rússia, para chegar ao local do incidente: um vasto pântano coberto de urtigas, cânhamo e rodeado por uma densa floresta de pinheiros. 

Aqui, a turfa – material fóssil fruto da lenta decomposição das plantas em um ambiente úmido – leva cerca de cinco anos para ser consumida, estima Kuksin. 

A mais de um metro de profundidade, o fogo resiste aos invernos siberianos graças à seca que atinge essa região com uma frequência cada vez maior.

“Mas a turfa nunca queima sozinha, o homem sempre é o responsável”, destaca Kuksin. Uma ponta de cigarro mal apagada é suficiente para iniciar a combustão, que será mantida no subsolo durante anos. 

Depois do inverno, quando o calor volta, o fogo da turfa ressurge para a superfície, queimando a grama seca e podendo se espalhar por toda a floresta. 

Armadilhas de carbono

Muitos cientistas concordam que a Sibéria e o Ártico estão entre as regiões mais expostas à mudança climática. Nos últimos anos, registraram recordes de calor e incêndios gigantescos. 

Os incêndios das tufas (pântanos ácidos) representam uma nova ameaça ao clima, já que a turfa, quando queimada, libera grandes quantidades de dióxido de carbono. 

“É uma bomba climática”, afirma Grigori Kuksin. Para ele, é um ciclo vicioso: os distúrbios climáticos acentuam a seca, favorecendo os incêndios nas turfeiras e liberando gases que afetam as mudanças climáticas. 

“Lutamos tanto contra as consequências das mudanças climáticas quanto contra suas causas”, resume. 

“Trabalho sujo”

Os incêndios em pântanos geralmente são mais difíceis de extinguir do que os florestais convencionais. 

Uma vez que o solo queimado esteja saturado com água, a temperatura da camada subterrânea de turfa é medida. Se exceder os 40 graus, será preciso repetir a operação. 

“É um trabalho sujo”, afirma Alexander Sujov, de 38 anos, agricultor que fundou este grupo de voluntários que trabalhou por dois dias para apagar o fogo em uma parte do pântano.

Junto às dificuldades, está o pouco envolvimento das autoridades regionais, segundo Kuksin, já que estas, seja por falta de experiência e/ou conhecimentos, não consideram esses incêndios com a mesma seriedade que os florestais.

Os profissionais e voluntários já deixaram o local. Mas Kuskin tem “quase certeza” de que, apesar das afirmações das autoridades, “o pântano continua queimando”.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
Mundo

Alterações climáticas ameaçam biodiversidade no Quénia

MundoSociedade

Setembro de 2020 foi mês mais quente da história

FuturoMundo

Investir na natureza e na biodiversidade pode ajudar a enfrentar crises climáticas

MundoPolítica

Presidente de Portugal espera que a pandemia sirva de lição e apela à ação climática

Assine nossa Newsletter