Assassino de mulher executada com 36 tiros pertencia às Forças de Segurança de Moçambique - Plataforma Media

Assassino de mulher executada com 36 tiros pertencia às Forças de Segurança de Moçambique

Jornal A Carta salienta também que Ramiro Moisés Machatine terá, entretanto, morrido

O escândalo da mulher que foi assassinada no meio da estrada em Moçambique continua a fazer correr muita tinta. E esta quinta-feira, depois do governo moçambicano ter desmentido que os assassinos eram membros das Forças de Segurança do país, o jornal A Carta revela o contrário, apresentando algumas provas e dando mesmo nome ao soldado que filmou o assassinato, concretamente Ramiro Moisés Machatine.

““Carta” estabeleceu que o jovem militar das FDS que deu a cara após o assassinato da mulher desnudada de Awasse chama-se Ramiro Moisés Machatine. Ele filmou o curso da tragédia, e também gritou que a mulher era dos “al shababe”. No fim da mortandade, 36 balas cravadas num único corpo indefeso, filmou-se a si mesmo, com telemóvel, numa espécie “selfie” de herói vivo. O recorte dessa imagem não deixa esconder sua identidade: Ramiro Moisés Machatine. Ele tinha uma página no Facebook. Pejadas doutros tantos retratos, incluindo os de adolescente inocente dos subúrbios de Maputo”, começa por ler-se nesta notícia, onde é colocado também em causa o governo de Filipe Nyusi:

“Mas uma confirmação de que se trata da mesma pessoa coloca em causa a posição oficial do Governo segundo a qual o grupo de executores da mulher de Awasse não pertence às Forças de Defesa e Segurança.”.

Related posts
EconomiaMundo

"PIB dos países do sul do Mediterrâneo poderia aumentar em 20% ou 30% se o potencial das mulheres fosse utilizado"

EconomiaMundo

Covid-19 cortou 800 mil milhões de dólares no rendimento global das mulheres

BrasilSociedade

Mulheres contrataram mais e demitiram menos em fevereiro

PortugalSociedade

Inspetoras na PJ triplicaram em 20 anos. "É um processo natural", diz a Direção

Assine nossa Newsletter