Gás de Moçambique sem atrasos apesar da Covid-19 e dos ataques armados - Plataforma Media

Gás de Moçambique sem atrasos apesar da Covid-19 e dos ataques armados

Um ano depois da decisão final de investimento, o maior projeto de gás em construção em Moçambique está a todo o vapor. Apesar de ter havido um surto de covid-19 no complexo industrial, na Península de Afungi, foi resolvido no início deste mês e a área será visitada pelo ministro dos Recursos Minerais e Energia esta sexta-feira

Um ano depois da decisão final de investimento, o maior projeto de gás em construção em Moçambique “está muito próximo do cronograma inicial”, disse hoje Carlos Zacarias, líder da entidade reguladora do setor.

Nem a pandemia nem os ataques armados na região em redor do investimento comprometeram a meta: a Total mantém o ano de 2024 como prazo previsto para iniciar a produção naquele que é o maior projeto de investimento em curso em África.

O que mais mudou neste último ano foi o preço do barril de petróleo, uma das variáveis em que assenta a sustentabilidade do projeto, que caiu para cerca de metade.

Os cenários base para os três projetos de gás, localizados na bacia do Rovuma, norte de Moçambique, foram feitos a partir do pressuposto de que o barril de petróleo (brent) esteja “entre 45 e 60 dólares”, consoante o projeto, referiu o presidente do Instituto Nacional de Petróleo (INP).

Há um ano estava na casa dos 60 dólares, mas após o impacto da covid-19 está em cerca de 40.

Zacarias referiu, no entanto, que os projetos moçambicanos só deverão entrar em plena produção a partir de 2023, no caso do projeto Coral Sul, e 2025, para o projeto da Área 1.

Na altura, “os preços deverão estar a esse nível [dos cenários base respetivos] para o projeto ser sustentável”, sublinhou, acrescentando que o preço do petróleo é apenas uma das variáveis que vai definir o valor da riqueza em que se depositam as maiores esperanças para o desenvolvimento de Moçambique na próxima década.

Zacarias falava aos jornalistas em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, onde as autoridades governamentais iniciaram hoje um encontro de dois dias com o consórcio da Área 1 de exploração de gás natural em Moçambique, liderado pela Total.

A decisão final de investimento na Área 1 foi anunciada há um ano durante uma cerimónia em Maputo em que participou o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, numa altura em que o projeto ainda era liderado pela petrolífera norte-americana Anadarko – que venderia a participação à Total em setembro.

A petrolífera francesa lidera o consórcio com 26,5%, ao lado da japonesa Mitsui (20%) e da petrolífera estatal moçambicana ENH (15%), cabendo outras participações à indiana ONGC Videsh (10%) e à sua participada Beas (10%), à Bharat Petro Resources (10%), e à tailandesa PTTEP (8,5%).

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

MoçambiquePolítica

UE/Presidência: Aprovada resolução para dar prioridade à crise humanitária em Moçambique

Assine nossa Newsletter