Terroristas usam as pessoas como escudos em Macomia - Plataforma Media

Terroristas usam as pessoas como escudos em Macomia

O grupo armado que desde quinta-feira ataca a vila de Macomia, em Cabo Delgado, saqueou vários estabelecimentos comerciais até a manhã de hoje, indiciando a sua retirada, disseram à Lusa várias testemunhas.

“Eles despojaram vários estabelecimentos comerciais e tudo indica que eles querem carregar aquilo para as suas bases. Parece-nos que estão a preparar-se para uma retirada”, disse uma fonte local, com base no testemunho de hoje de residentes escondidos no mato.

Parte considerável das populações da vila, principal ponto de encontro a meio da estrada asfaltada que liga o norte ao sul da província, estão no mato, mas há quem arrisque um regresso ao centro da vila para procurar mantimentos.

Segundo a fonte, as Forças de Defesa e Segurança foram avistadas no terreno, mas a situação esta a “complicar porque os insurgentes estão a usar as pessoas como escudos”.

Em contacto hoje com a Lusa, Luiz Lisboa, bispo de Pemba, capital da província de Cabo Delgado, disse ter acolhido, desde sexta-feira, algumas pessoas que fugiram das confrontações na vila de Macomia em direção à capital provincial, uma distância de cerca de 179 quilómetros.

“Eles conseguiram sair da vila pela mata e chegaram a estrada principal. De lá apanhar boleia e conseguiram chegar até aqui. Tivemos um jovem que chegou aqui na noite de sexta-feira com a sobrinha e perdeu o restante da família. Recebemos também uma senhora funcionaria pública que trabalha em Macomia. Ela estava com os pés todos feridos por andar pelo mato”, disse Luiz Lisboa.

A funcionária foi levada para casa da sua família em Pemba e o jovem foi abrigado na igreja, afirmou o bispo de Pemba, acrescentando que há dificuldades em manter contactos com membros da igreja em Macomia.

A vila de Macomia é o principal ponto de encontro a meio da estrada asfaltada que liga o norte ao sul da província, tem uma agência bancária, vários serviços, estabelecimentos comerciais e é sede de um distrito com cerca de 100 mil habitantes.

Uma fonte do Ministério da Defesa Nacional moçambicano disse à Lusa que a situação em Macomia estava a ser analisada pelo comando conjunto das FDS, que é dirigido pelo Ministério do Interior, mas até agora ainda não foi prestada nenhuma informação pelas autoridades.

Macomia foi há um ano a zona urbana mais atingida pelo ciclone Kenneth, um dos mais graves de sempre a atingir Moçambique, em abril de 2019, matando 45 pessoas no Norte do país.

Cabo Delgado, província onde avança o maior investimento privado de África para exploração de gás natural, está sob ataques de grupos armados rebeldes desde outubro de 2017, classificados desde o início do ano pelas autoridades moçambicanas e internacionais como uma ameaça terrorista.

Desde há um ano o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico passou a reivindicar alguns dos ataques.

Em dois anos e meio de conflito estima-se que já tenham morrido, no mínimo, 550 pessoas e que cerca de 200 mil já tenham sido afetadas, sendo obrigadas a refugiar-se em lugares mais seguros, perdendo casa, hortas e outros bens.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

MoçambiquePolítica

UE/Presidência: Aprovada resolução para dar prioridade à crise humanitária em Moçambique

Assine nossa Newsletter