FMI e Banco Mundial pedem que se mantenha aberto o comércio mundial - Plataforma Media

FMI e Banco Mundial pedem que se mantenha aberto o comércio mundial

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Grupo Banco Mundial (WBG) pediram aos países que mantenham o comércio aberto enquanto o mundo enfrenta a pandemia do COVID-19, alertando que os controles de exportação de suprimentos médicos e outros itens essenciais podem sair pela culatra.

Numa entrevista coletiva virtual durante as reuniões de primavera das duas instituições multilaterais, a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, disse que não é hora de restringir o comércio de suprimentos médicos e equipamentos essenciais em todo o mundo.

“É muito importante que isso não se torne o futuro, onde se reverta todos os ganhos que obtivemos da globalização”, disse Gopinath, em resposta a uma pergunta da Xinhua.

Ecoando suas observações, Kenneth Kang, vice-diretora do Departamento de Ásia e Pacífico do FMI, disse à Xinhua numa recente entrevista escrita que os países devem evitar restrições comerciais aos produtos médicos e de saúde para garantir que eles vão para onde são mais necessários.

“Os países com capacidade e recursos limitados de assistência médica precisarão de ajuda internacional para se preparar e enfrentar a pandemia”, disse Kang. “A emergência de saúde é um aviso poderoso da necessidade de coordenação de políticas e solidariedade num mundo globalizado”, afirmou.

O funcionário do FMI disse que os países devem cooperar para reduzir as barreiras tarifárias e não tarifárias que impedem o comércio e o investimento além-fronteiras e fortalecer as cadeias globais de suprimentos à medida que a recuperação ocorre.

Zhang Tao, vice-diretor-gerente do FMI, disse à Xinhua que espera que essas cadeias de suprimentos funcionem da melhor maneira possível para maximizar a produção e o suprimento globais, o que torna a colaboração global “essencial”.

“Hoje, mais do que nunca, a economia global beneficiaria de um sistema de comércio internacional mais aberto, estável e transparente, baseado em regras”, disse Zhang.

Os mercados devem funcionar

Enquanto isso, o presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse numa entrevista coletiva virtual na sexta-feira que os grandes países precisam avançar e comprometerem-se a não usar a crise como uma razão para fechar ou bloquear os mercados.

“Deveríamos permitir que os mercados funcionassem de forma clara e os suprimentos fossem para os mais necessitados”, disse Malpass, acrescentando que a China está exportando suprimentos médicos para o resto do mundo, o que é “muito bem-vindo”.

A defesa do FMI e do Banco Mundial pelo livre comércio ocorreu quando sentimentos protecionistas estão a aumentar em todo o mundo devido à pandemia. Cerca de 46 restrições à exportação de suprimentos médicos foram introduzidas por 54 governos desde o início do ano, de acordo com um relatório publicado em 23 de março pelo Global Trade Alert, uma iniciativa de acompanhamento de políticas comerciais.

Trinta e três dessas restrições de exportação foram anunciadas desde o início de março, “uma indicação da rapidez com que novos limites de comércio estão a espalhar-se pelo mundo”, revela o relatório.

Aaditya Mattoo, economista-chefe do Leste da Ásia e da região do Pacífico no Banco Mundial, disse que é algo compreensível que os países imponham restrições à exportação, mas essas ações são “quase sempre contraproducentes”.

“Se cada país impõe restrições, o preço global aumenta ainda mais do que deveria. E pode acabar sendo uma política autodestrutiva”, disse Mattoo numa recente entrevista à imprensa, em resposta a uma pergunta da Xinhua.

O economista do Banco Mundial também observou que essas medidas afetariam os países que dependem desses suprimentos médicos tão necessários, especialmente os países pobres, que importam muitos medicamentos, ventiladores e máscaras.

Protecionismo

Apesar disso, Jeffrey Sachs, um reputado professor de economia da Universidade de Colúmbia, disse à Xinhua que acha que haverá mais protecionismo nos países ocidentais, tanto nos Estados Unidos como na Europa.

A China terá que trabalhar duro para garantir cadeias de abastecimento de longo prazo e comércio bidirecional, inclusive com a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), África e América do Sul, disse Sachs, também consultor sénior das Nações Unidas.

“Acredito que a China, o Japão, a Coreia do Sul e a ASEAN devem trabalhar duro para uma rápida recuperação e abrir o comércio entre si”, disse Sachs. “O leste da Ásia pode voltar aos negócios porque o leste da Ásia nunca perdeu o controlo da epidemia”.

Como a economia global está a caminho de diminuir “acentuadamente” em 3% este ano devido à pandemia, o economista-chefe do FMI destacou a importância de manter o comércio aberto na recuperação global.

“O mundo precisa de uma recuperação saudável. Precisa de uma recuperação forte. E isso não acontecerá se o mundo se desglobalizar, porque isso reduziria severamente a produtividade no mundo”, disse Gopinath. “E essa é a última coisa que queremos neste momento.”

Artigos relacionados
EconomiaPortugal

Três mil milhões de euros chegam amanhã a Portugal vindos da Comissão Europeia

PortugalSociedade

Portugal com mais 78 mortes e 3262 novos casos de Covid-19

MundoSociedade

Gales proíbe venda de álcool em bares e restaurantes contra o coronavírus

MundoSociedade

Moderna confirma eficácia e pede já uso de emergência da vacina

Assine nossa Newsletter