Um primeiro passo para a reconciliação - Plataforma Media

Um primeiro passo para a reconciliação

Fórum publico “Talk & Listen” procurou abrir caminho para o iníco de um caminho difícil rumo à reconcliação em Hong Kong. 

Foi um dia de diálogo, calma e busca de alternativas à violência. Cerca de 500 pessoas de vários setores sociais acederam ao desafio lançado pela Hong Kong Forward Alliance, um grupo recém-criado com a missão de promover diálogo e discutir formas de reconciliação para a maior crise que a cidade vizinha vive em cinco décadas.  Sem soluções mágicas, o ambiente no Centro de Convenções e Exposições de Hong Kong contrastava com a tensão que escalava em Kowloon, na Polytechnic University of Hong Kong, onde confrontos violentos escalavam. Em destaque esteve a partilha de experiências de resolução de conflitos por parte de dois convidados internacionais: Clenn McCartney da Irlanda do Norte e Hannes Siebert da África do Sul. Os dois trabalharam afincadamente para uma solução pacífica nas duas regiões nos anos 1990. “Muitos participantes no fórum aprenderam bastante com os nossos oradores convidados do exterior, uma vez que ficou claro que é possível encontrar alternativas à violência, dado que que há sempre formas de reduzir as tensões e a violência”, disse ao PLATAFORMA Christine Loh, fundadora da Hong Kong Forward Alliance e antiga subsecretária do ambiente do Governo de Hong Kong. A prioridade vai para inverter a escalada da violência e e isso passa, na perspetiva de Loh, por ações concretas que devem ser tomadas pelas pessoas que têm um papel de liderança, da parte do governo e das autoridades e dos manifestantes. Paralelamente há que promover o papel de intermediários. “A mediação discreta e habilidosa pode ajudar a resolver situações que parecem intratáveis”. 

Sem ilusões de encontrar uma solução no imediato para uma crise tão profunda e complexa, a antiga deputada e atual professora na Hong Kong University of Science and Technology quer, através deste tipo de eventos, mostrar à sociedade os instrumentos ao dispor para a reconciliação. 

O futuro passa pelo projeto Let’s Talk Hong Kong, que tem como objetivo criar 20 zonas de diálogo em ambiente pacífico e de respeito mútuo na cidade para que um processo de diálogo comunitário não apenas sobre a crise mas sobre outras matérias que a sociedade considere importantes para que a normalidade do debate público aberto e tolerante regresse. 

José Carlos Matias 22.11.2019

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Opinião

Liberalismo selvagem

Opinião

A Carne De Porco É Cara? Criemos Porcos!

Opinião

Pedido de Compensação Americano Terá Lugar Amanhã

Opinião

O caminho da montanha

Assine nossa Newsletter