Entre a continuidade e mudança - Plataforma Media

Entre a continuidade e mudança

Ho Iat Seng não deverá herdar toda a equipa de secretários de Chui Sai On. Mas algumas peças manter-se-ão. A continuidade de Wong Sio Chak é vista como aposta segura. Outros poderão permanecer, mudar de pasta ou sair. A dança das cadeiras vai começar.

Ninguém quer arriscar em público com certezas. O segredo da composição da equipa governativa que vai acompanhar o Chefe do Executivo designado Ho Iat Seng a partir de 20 de dezembro parece estar fechado a sete chaves entre Pequim e o novo chefe local.  A cidade ferve de rumores e teses que oscilam entre a renovação quase total, a re-arrumação das pastas e a continuidade. Entre os observadores auscultados pelo PLATAFORMA, a permanência do Secretário para a Segurança Wong Sio Chak no Executivo é dada com praticamente  indiscutível. Uma outra inclinação, embora menos consensual, diz respeito à continuação no cargo de Secretário para os Transportes e Obras Públicas Raimundo do Rosário, não obstante as várias vezes em que, no passado, deu a entender que seria um secretário só para um mandato. Quanto às restantes três pastas, as opiniões dividem-se sobre manutenção, mudança de portfólio ou saída. 

A um mês e meio da posse, o dia em que o suspense será quebrado aproxima-se. Poderá ser nos próximos dias ou após a ida do Chefe do Executivo, Chui Sai On, à Assembleia Legislativa, no dia 12 de novembro. Há  cinco anos, o Jornal Tribuna de Macau avançada a 7 de novembro a entrada de Lionel Leong e Wong Sio Chak no Governo, bem como a ascensão de André Cheong à liderança do Comissariado Contra a Corrupção (CCAC). O jornal Ou Mun viria, poucos dias depois, a 11 de novembro, a revelar a composição na íntegra do Executivo e dos restantes titulares de altos cargos.  

Entre 2009 e 2014

A fórmula de transição de equipa governativa de 2014 contrasta com as mudanças de Executivo anteriores em 2004 e 2009. No início do segundo mandato do primeiro Chefe do Executivo, Edmund Ho, a aposta foi na continuidade total, tendo sido todos os titulares de altos cargos reconduzidos para um mandato de cinco anos. Em 2009, com  a entrada de um novo chefe do Governo, no grupo de secretários as alterações foram mínimas, apenas com a inevitável substituição de Chui Sai On – que passara a ser Chefe do Executivo – por Cheong U ex-líder do CCAC, que assegurou a pasta dos Assuntos Sociais e Cultura.

Já em 2014, a renovação do Executivo foi total. Este ano, o cenário mais provável é de um meio caminho entre a permanência dos cinco secretários e a saída de toda a equipa. Há a assinalar que os cinco secretários estão a  terminar o primeiro mandato no lugar e que, à exceção de Raimundo do Rosário que tem 63 anos, os restantes têm menos de 60 anos. No entanto, a idade poderá não ser  impeditivo para um novo mandato de Rosário ao leme da secretaria dos Transportes e Obras Públicas. O homem que entre 1999 e 2014 chefiou as delegações económicas e comerciais em Lisboa e Bruxelas é visto como alguém em quem Ho Iat Seng e o Governo central confiam.  

Mais segura é a permanência de Wong Sio Chak no Governo. Aos 51 anos é o mais  jovem dos cinco secretários e o seu desempenho à frente da pasta da segurança tem sido marcado ao longo deste mandato por um frenesim legislativo e por uma centralidade que se tem refletido no reforço de competências com a nova da lei da cibersegurança, a criação da comissão da defesa da segurança do Estado ou a transferência do Gabinete de Informação Financeira para a sua tutela.  Além do mais, a crise em Hong Kong tem levado a uma intensificação da mensagem política de salvaguarda da segurança nacional.

Nos últimos meses, porém, circulou a tese que Wong poderia transitar para a Administração e Justiça, passando o Comandante-geral dos Serviços de Polícia Unitários (SPU) a Secretário para a Segurança. 

Dúvidas que persistem 

Quanto a Sónia Chan, 54 anos, tão depressa se presume que continuará no cargo, como se aventam outros lugares, como o Comissariado de Auditoria, ou outras funções. Num cenário de saída de Chan da secretaria para a Administração e Justiça, além de Wong Sio Chak, o Comissário Contra  Corrupção, André Cheong, é visto como um candidato, tendo em conta também a sua experiência anterior como diretor dos Serviços para os Assuntos de Justiça.

 O Comissário de Auditoria, Ho Veng On, volta a ser encarado por observadores como uma hipótese, caso abandone o cargo que ocupa há dez anos. Joga a favor dele o percurso antes de 1999 e o facto de ter sido chefe de gabinete de Edmund Ho ao longo da primeira década da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM). Para alguns, o currículo de Ho Veng On pode também ser adequado para a Secretaria para a Economia e Finanças, caso Lionel Leong, 57 anos, não seja reconduzido. Em todo o caso há que salientar que Leong é um peso pesado da política local com experiência quer como deputado por Macau à Assembleia Popular Nacional (APN) quer como membro do Conselho Executivo, tendo alegadamente considerado a possibilidade de se candidatar a Chefe do Executivo. 

Paralelamente, o regresso à vida política de Lee Peng Hong – presidente do Instituto de Promoção do Comércio e Investimento (IPIM) entre 1999 e 2009  – é visto como provável com Ho Iat Seng como líder do Governo, daí que tenha sido aludido como potencial candidato ao lugar de Leong, como é referido num artigo recente do site CLbrief, em que saltam outras opções para a pasta da Economia e Finanças: o atual diretor dos Serviços de Economia Tai Kin Ip e o diretor dos Serviços de Inspeção e Coordenação de Jogos Paulo Martins Chan.

Neste contexto surge também a opção Alexis Tam, que já tinha sido falado em 2014 para substituir Francis Tam. Por outro lado, dado o bilinguismo e experiência na Função Pública, o Secretário para os Assuntos Sociais também é encarado como alguém que podia ser aproveitado para a Administração e Justiça. 

Alexis Tam, 57 anos, firmou créditos nas relações culturais e educacionais com Portugal e a lusofonia ao longo deste mandato, e também nos anos que passou como chefe de gabinete de Chui Sai On, pelo que a sua continuidade é vista com probabilidade, podendo não ser fácil encontrar substituto. 

Se Tam sair, o nome de O Lam, chefe de gabinete de Chui Sai On, foi ventilado como uma hipótese para seguir as pisadas do próprio Alexis Tam: da coordenação do gabinete do Chefe do Executivo para a Secretaria para os Assuntos Sociais e Cultura. Além do mais, as origens familiares de O Lam – sobrinha-neta de O Cheng Peng, fundador da empresa Nam Kwong e figura líder das forças pró- Partido Comunista em Macau após 1949 – são encaradas como um factor relevante.   

Nas últimas semanas, os nomes de duas outras mulheres entraram no “mercado”  das especulações para a mesma pasta: a Diretora dos Serviços de Turismo, Helena de Senna Fernandes e a Diretora dos Serviços de Identificação, Ao Ieng U. Na equação de alguns observadores aparece também Sou Chio Fai, diretor dos Serviços do Ensino Superior.

José Carlos Matias 08.11.2019

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Opinião

Liberalismo selvagem

Opinião

A Carne De Porco É Cara? Criemos Porcos!

Opinião

Pedido de Compensação Americano Terá Lugar Amanhã

Opinião

O caminho da montanha

Assine nossa Newsletter