Festival de compras

por Arsenio Reis

A edição deste ano do Macau Shopping Festival pretende atrair turistas e residentes na mesma proporção, afirmou ao PLATAFORMA MACAU o presidente da Associação de Retalhistas e Serviços de Turismo de Macau, Frederick Yip, à margem da cerimónia de inauguração do evento, que teve lugar a 3 de Dezembro, em frente ao complexo One Central. 

A sexta edição do Macau Shopping Festival iniciou-se a 3 e termina a 31 de Dezembro, aproveitando a época natalícia. Com o objetivo de atrair visitantes, mas também residentes, o presidente do comité executivo de preparação do evento, Frederick Yip, espera que o evento ajude na recuperação do setor e na retoma da economia.

Com o evento já na sua sexta edição, o também presidente da Associação de Retalhistas e Serviços de Turismo de Macau, Frederick Yip, garante que está a crescer, contando com o apoio crescente dos grandes centros comerciais do território. “Todos os anos fazemos mudanças — são necessárias — e queremos que este seja um evento da cidade; é por isso que estamos a promover os grandes centros comerciais, mas também as pequenas e as médias empresas [PMEs]”, diz. “Não é fácil pedir a todas as PMEs para se envolverem, já que não podem despender tantos recursos humanos, mas tivemos de pensar como garantir recompensas [aos clientes] com base em pontos sobre as vendas, ainda que os vendedores não possam oferecer grandes descontos”, acrescenta. Assim, Frederick Yip garante que foram pensados descontos e esquemas que asseguram a participação destas entidades de menor dimensão. “Temos mais de 2000 PMEs — no total, são 2500 entidades [SMEs e outros]”, diz.

Entre as novidades, contam-se uma aplicação que pode ser usada na rede móvel, com toda a informação sobre o evento e um jogo. Haverá ainda pontos de Internet instalados em diferentes pequenas e médias empresas, para que os turistas e residentes tenham acesso a uma hora de utilização gratuita.

Além disso, o organizador destaca o grande saldo, e que terá lugar entre 23 e 25 de Dezembro, com diferentes entidades a garantir ofertas e promoções. Haverá ainda uma promoção especial, organizada pelo Rainbow Group Macau, localizado no Hotel Landmark, com descontos até 90 por cento no mês de Dezembro. O organizador realça ainda o grande sorteio. “Através deste sorteio, conseguimos reunir alguns dados — percebemos quanto gastam neste período e isto é bom para fazer crescer o evento [nas próximas edições≠; sabemos quantas pessoas estão envolvidas.”

Quanto aos consumidores-alvo, Frederick Yip diz que os turistas e os residentes estão igualmente abrangidos. “A maior parte dos clientes das PMEs são locais; por isso, queremos também alcançar os locais, além dos visitantes”, assegura. “No geral, queremos ter melhores números ao nível do consumo.”

Este ano, uma grande parte do orçamento destinou-se a cobrir a promoção do evento, mas também contam com o apoio dos grandes centros comerciais. Por exemplo, apostou-se em anúncios em transportes públicos, na televisão e em folhetos publicitários.

“Tem de se ver os descontos que cada um pode oferecer — algumas marcas internacionais não podem oferecer grandes descontos, mas, nalgumas alturas especiais, como o Natal, podem em muitos produtos”, diz. Assim, a equipa por detrás do Macau Shopping Festival procurou encontrar mecanismos para juntar os interesses dos consumidores e os dos vendedores. “Por isso, tens pontos e também se gastares mais tens desconto no crédito”, diz, a título de exemplo.

A diversificação como fonte

Considerando que o território recebe mais de 300.000 visitantes por mês, Frederick Yip quer atrair essa massa para o evento, gerando mais receitas. “É por isso que temos o Macau Shopping Festival”, diz, acrescentando: “De edição para edição, vamos adicionando novidades. Este ano eu sou o presidente, mas há outras associações envolvidas. No próximo ano será outro.”

No seu discurso de abertura do evento, Frederick Yip realçou que “o total de despesas dos turistas nas compras no terceiro trimestre aumentou 17,4 por cento em comparação com anos anteriores e o Produto Interno Bruto (PIB) nesse mesmo período também subiu 4 por cento, o que correspondeu ao único crescimento positivo desde 2014”. Assim, para este dirigente o governo do território “deve pensar como aumentar a percentagem de elementos não ligados ao jogo, apostando na qualidade do turismo, otimizando a estrutura das fontes de visitantes e estimulando a procura para a compra”.

O evento é organizado por 21 entidades, entre as quais se encontram as operadoras de jogo Galaxy Macau, Melco Crown Entertainment, Sands China e Wynn Macau. O orçamento estimado para o Macau Shopping Festival é de 30 milhões de patacas. Para o sorteio, deverá usar-se um total de 5.5 milhões de patacas. Os clientes podem participar nos sorteios se gastarem um mínimo de 500 patacas nas lojas locais associadas ao evento.

A diretora dos Serviços de Turismo, Helena de Senna Fernandes, afirmou aos jornalistas que espera que o evento possa aumentar as despesas dos visitantes na cidade, levando a que permaneçam mais tempo em Macau. “Precisamos de convencer os visitantes individuais a permanecerem mais tempo e a nossa expectativa é que de que isso aconteça e de que irão perceber que Macau é um local de compras.”

Luciana Leitão

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!