EMPRÉSTIMOS PARA HABITAÇÃO TRIPLICAM EM JUNHO - Plataforma Media

EMPRÉSTIMOS PARA HABITAÇÃO TRIPLICAM EM JUNHO

 

Os bancos de Macau emprestaram em junho 9,17 mil milhões de patacas (1.153, 5 milhões de dólares) em novos empréstimos hipotecários para habitação, uma subida homóloga de 207,4%.

Dados oficiais indicam que em junho os residentes locais contraíram empréstimos no valor de 6,92 mil milhões de patacas (869 milhões de dólares), mais 140% do que no mesmo mês de 2013. Os não residentes pediram aos bancos locais 2,25 mil milhões de patacas (282 milhões de dólares), um valor 2000% acima do registado em junho do ano passado.

Segundo a Autoridade Monetária, os números são explicados pela entrada em vigor do regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção em julho do ano passado. A nova lei introduziu uma série de limitações à aquisição deste tipo de imóveis, reduzindo significativamente os pedidos de empréstimo em 2013. A maioria dos investidores no imobiliário não é residente. Em termos globais e com o imobiliário de Macau a não dar sinais de arrefecimento, os bancos tinham concedido 137,75 mil milhões de patacas (17,4 mil milhões de dólares) – mais 29,5% do que em junho de 2013 – com os residentes locais a deverem aos bancos 129,44 mil milhões de patacas (16,47 mil milhões de dólares), mais 29,5%, enquanto os não residentes terão ainda de pagar 8,31 mil milhões de patacas (1043,57 milhões de euros), ou mais 28,7%.

O imobiliário em Macau registou desde 2004 uma forte subida depois da entrada no mercado dos novos operadores de jogo e constitui neste momento um dos principais problemas da sociedade, pela dificuldade em comprar casa e pelos valores elevados do arrendamento porque, sendo um mercado livre, não há um limite mínimo ou máximo para aumentos das rendas.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter