Início Eleitos Fundamental planeamento para minimizar inatividade de espaços comerciais em habitação pública

Fundamental planeamento para minimizar inatividade de espaços comerciais em habitação pública

Leong Sun Iok, Federação das Associações dos Operários de Macau

Os problemas relacionados com a desocupação prolongada e baixa frequência de concursos públicos para unidades comerciais em edifícios de habitação pública existem há já muito tempo, resultando na utilização inadequada e má distribuição dos recursos públicos. 

Segundo a “Informação sobre Concursos Públicos para Espaços Comerciais em Habitação Pública”, o IH lançou apenas oito concursos públicos entre 2012 e 2021. Alguns grandes conjuntos habitacionais públicos, como os do Edifício do Bairro da Ilha Verde e de Seac Pai Van, estão há já cinco anos sem concursos. 

Acredito que, com a conclusão da primeira fase de habitação pública na Zona A em 2025, pelo menos um número considerável de lojas em habitação pública estarão disponíveis, e sugiro que os departamentos relevantes aproveitem essa oportunidade para lidar com o problema de espaços comerciais não utilizados por meio de alterações legislativas.

Atualmente, o arrendamento de lojas em habitação pública baseia-se no Decreto-Lei 28/92/M “Regulamento da atribuição, arrendamento e cedência gratuita dos espaços adequados ao exercício de atividades comerciais que existam em edifícios destinados à habitação social”, e é realizado via concursos públicos ou adjudicação direta. 

No entanto, passaram já mais de 30 anos desde a promulgação do referido Decreto-Lei, em 1992, e as suas disposições estão desatualizadas e incapazes de se adaptar ao desenvolvimento atual. Usando o surto pandémico como exemplo, mesmo que o Governo tenha dispensado três meses de renda, em 2020 e 2021, como resposta à pressão da operação comercial sobre inquilinos comerciais em bairros de habitação pública, esta não é uma solução a longo prazo.

Na verdade, a falta de um mecanismo de comunicação e coordenação entre o Governo e os inquilinos comerciais, e a incapacidade de negociar reduções de renda à luz do ambiente de mercado e das condições operacionais reais, não favorece o desenvolvimento das PME. Tal demonstra a falta de flexibilidade do mecanismo global. Sugere-se, assim, que o Governo considere a alteração da lei, tendo em conta fatores como o ambiente social atual e as condições de mercado, a fim de possibilitar a utilização flexível das unidades comerciais em bairros de habitação pública.

Entretanto, com a conclusão da primeira fase de habitação pública na Zona A, em 2025, o planeamento comercial global deve ser incluído na agenda. Em resposta à minha interpelação escrita anterior, o Instituto de Habitação mencionou ter contratado uma organização para conduzir um “Estudo sobre a Distribuição e Quantidade de Empresas Comerciais em Habitação Pública nos Distritos Norte e Centro-Norte da Zona A”.

O “Relatório de Conclusões da Consulta sobre o Projeto do Plano de Pormenor da Unidade Operativa de Planeamento e Gestão Este-2” também menciona que nos distritos Norte, Centro-Norte e Centro-Sul da Zona A, deve existir espaço comercial suficiente em edifícios residenciais. O foco principal do estudo foi as instalações comerciais complementares em comunidade residenciais, que possam criar um centro empresarial comunitário e proporcionar espaço para o desenvolvimento de PME. 
Proponho que o Governo aproveite a oportunidade apresentada pela Zona A e, com base nos resultados do estudo mencionado, considere o planeamento global para espaços comerciais em bairros de habitação pública em Macau com um mecanismo mais flexível.

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!