Isabel dos Santos: Portugal confirma buscas a banco e consultora a pedido de Angola - Plataforma Media

Isabel dos Santos: Portugal confirma buscas a banco e consultora a pedido de Angola

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje buscas do Ministério Público (MP) a empresas de consultadoria e a uma entidade bancária, a pedido das autoridades angolanas.

“Confirma-se a realização de buscas em execução de pedido de cooperação judiciária internacional recebido das autoridades angolanas. As diligências têm lugar em empresas de consultoria e numa entidade bancária e são dirigidas pelo Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)”, respondeu a PGR à agência Lusa.

O pedido surge na sequência de uma notícia do Observador e da Visão, que dá conta de que a Polícia Judiciária (PJ) fez, no início desta semana, buscas em Lisboa, às consultoras, Bonston Consulting Group e Pricewaters Coopers, bem como ao banco Eurobic.

Segundo informações recolhidas pela Visão, estas diligências foram realizadas a pedido das autoridades angolanas no âmbito da investigação a Isabel dos Santos, empresária que, apesar do mandado internacional de captura emitido pela Interpol, continua a partilhar nas redes sociais a sua vida quotidiana no Dubai.

A Visão adianta que a carta rogatória enviada pela Procuradoria-Geral da República angolana para a congénere portuguesa solicitava a apreensão de documentos nas duas consultoras, entidades que, segundo a investigação angolana, apenas terão servido para o desvio de dinheiro da Sonangol. Por sua vez, nos processos em Portugal, a empresária tem alegado que ambas as consultoras prestaram, efetivamente, serviços à petrolífera angolana no âmbito de um processo de reestruturação levado a cabo durante o seu mandato.

Leia ainda: Tribunal determina arresto de bens de Isabel dos Santos avaliados em quase mil milhões

O universo de investigações a Isabel dos Santos, em Portugal, não se circunscreve ao alegado desvio de fundos da Sonangol. Ao todo, correm 17 processos contra a empresária angolana, escreve a revista, adiantando que, segundo fonte judicial, o resultado destas investigações deverá, em grande parte, ser remetido para Angola, país onde terão ocorrido os crimes precedentes ao branqueamento de capitais de que Isabel dos Santos é suspeitas em Portugal.

Em dezembro de 2022, o Tribunal Supremo angolano determinou o arresto preventivo dos bens de Isabel dos Santos, avaliados em mil milhões de dólares (941 milhões de euros), nomeadamente 100% das participações sociais da empresa Embalvidro, onde a arguida é beneficiária efetiva.

Segundo o acórdão, revelado pela agência Lusa, a câmara criminal do TS referiu que o arresto abrangia também a todos os saldos bancários de depósitos à ordem tituladas ou co-tituladas, sedeadas em todas as instituições bancárias, incluindo as contas de depósito a prazo, outras aplicações financeiras que estejam associadas ou dossiês de títulos em nome de Isabel dos Santos.

O despacho do supremo tribunal angolano, datado de 19 de dezembro de 2022, indicou que, entre os bens indicados a arrestar, estão 70% das participações sociais na empresa UPSTAR Comunicação que a “arguida é beneficiária efetiva”.

A Lusa contactou o Eurobic, mas até ao momento não obteve resposta.

*Com Lusa

Related posts
AngolaSociedade

Tribunal determina arresto de bens de Isabel dos Santos avaliados em quase mil milhões

AngolaPolítica

Angola confirma mandado de captura contra Isabel dos Santos

AngolaPolítica

PGR angolana promete processo contra Isabel dos Santos, mesmo sem ouvir empresária

AngolaPolítica

Isabel dos Santos nega ter sido alvo de "pressões políticas"

Assine nossa Newsletter