ONG exige responsabilização no caso de corpos queimados em Cabo Delgado - Plataforma Media

ONG exige responsabilização no caso de corpos queimados em Cabo Delgado

A organização não-governamental Centro para Democracia e Desenvolvimento (CDD) exigiu hoje esclarecimentos e eventual responsabilização no caso do vídeo que mostra supostos militares sul-africanos a queimar corpos de rebeldes em Moçambique.

“A nossa primeira reação é de repúdio a este crime macabro à luz da lei humanitária internacional, que estabelece regras claras sobre a atitude de militares perante soldados abatidos do grupo adversário”, declarou à Lusa o ativista e diretor do CDD, Adriano Nuvunga.

Em causa está um vídeo, divulgado nas redes sociais, que mostra militares alegadamente do exército sul-africano e outros elementos desconhecidos a atirarem cadáveres para uma pilha de escombros a arder, um episódio que resultou na abertura de uma investigação pelas Forças Armadas da África do Sul.

Para o diretor do CDD, embora a investigação ainda esteja em curso, as autoridades podem identificar com “facilidade” os militares envolvidos no ato, que, segundo o ativista, pode gerar raiva nas comunidades locais, arrastando mais jovens às fileiras dos insurgentes.

“A insurgência tem uma dimensão interna e uma ação desta natureza pode escalar o conflito”, frisou o ativista, que defende que os soldados supostamente envolvidos no caso devem ser levados à justiça internacional.

Segundo uma nota da Força de Defesa Nacional da África do Sul (SANDF), o incidente, que já está a ser condenado pela oposição sul-africana, terá ocorrido durante o mês de novembro de 2022 em Cabo Delgado, para onde a África do Sul destacou um contingente militar como parte da Missão da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) em Moçambique (SAMIM).

A província de Cabo Delgado enfrenta há cinco anos uma insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde julho de 2021 com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de ataques a sul da região e na vizinha província de Nampula.

O conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Related posts
MoçambiqueSociedade

Exército moçambicano anuncia morte de suposto líder de terroristas

MoçambiqueSociedade

Anunciada nova operação para destruir bases rebeldes em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Encontrados mais quatro corpos sem vida em Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Consolidação de segurança é prioridade face a “focos” de instabilidade em Cabo Delgado

Assine nossa Newsletter