Euforia por metaverso impulsiona a compra de imóveis virtuais

Euforia por metaverso impulsiona a compra de imóveis virtuais

A ideia de gastar milhões em um terreno que só existe na internet pode parecer ridícula, mas a fúria desencadeada pelo metaverso, um futuro da realidade virtual, está a incentivar alguns investidores a comprar imóveis digitais

Esta semana, a empresa de Nova Iorque Republic Realm anunciou um acordo de 4,3 milhões de dólares americanos para comprar terrenos digitais no The Sandbox, um dos vários sites de “mundo virtual” onde as pessoas podem-se socializar, jogar ou ir a shows. 

No final de novembro, a empresa canadiana de criptomoedas Tokens.com adquiriu um terreno na plataforma rival Decentraland por 2,4 milhões de dólares americanos. Dias antes, Barbados havia anunciado um plano para abrir uma “embaixada do metaverso” em Decentraland. 

Esses tipos de portais são promovidos como protótipos do metaverso, uma internet do futuro onde as experiências online atuais, como conversar com um amigo, parecerão cara a cara graças a dispositivos de realidade virtual.

A palavra “metaverso” está em alta há meses no Vale do Silício, mas o interesse multiplicou-se em outubro, quando a empresa-mãe do Facebook mudou o nome para “Meta” em sua estratégia de apostar na realidade virtual. 

Leia também: Facebook altera nome de sua empresa-mãe para Meta

A mudança de nome no Facebook “introduziu o termo ‘metaverso’ para milhões de pessoas muito mais rápido do que eu jamais poderia imaginar”, diz Cathy Hackl, consultora de tecnologia que aconselha empresas a entrar no metaverso. 

O site de dados Dapp apura que, na última semana, foram vendidos terrenos virtuais avaliados em mais de 100 milhões de dólares nos quatro principais ambientes do metaverso: The Sandbox, Decentraland, CryptoVoxels e Somnium Space. 

Hackl não se surpreende com esse boom, que é acompanhado pelo desenvolvimento de todo um ecossistema imobiliário digital, de incorporadoras a locadoras. 

“Tentamos transferir a maneira como entendemos os bens físicos para o mundo virtual”, diz ele à AFP. E embora leve algum tempo para que esses sites operem como verdadeiros metaversos, seu terreno digital já funciona como um ativo da vida real. 

“Você pode construir com base nele, pode alugá-lo, pode vendê-lo”, diz Hackl.

“A Quinta Avenida”

A Tokens.com comprou um excelente pacote no bairro Fashion Street da Decentraland, que a plataforma quer promover como sede de lojas virtuais de marcas de luxo. 

“Se eu não tivesse investigado e entendido que esta é uma propriedade valiosa, isso pareceria absolutamente insano”, admite o CEO da Tokens.com, Andrew Kiguel. 

Para ele, que passou 20 anos trabalhando com investimentos com foco no imobiliário, a operação da Decentraland rege-se pelos mesmos critérios da vida real: é um espaço moderno e movimentado. 

“É um espaço de publicidade e eventos onde as pessoas vão se reunir”, disse, tomando como exemplo um recente festival de música na plataforma que atraiu 50 mil espectadores. Marcas de luxo estão começando a entrar nesse mundo paralelo: uma bolsa Gucci virtual foi vendida na plataforma Roblox em maio por um preço mais alto que a versão real. 

Kiguel espera que a Fashion Street se transforme em uma espécie de Quinta Avenida em Nova York. Seu terreno pode lhe render dinheiro como espaço publicitário ou até mesmo “tendo uma loja com um funcionário de verdade”, explica. 

Assine nossa Newsletter