Metas ambientais de Pequim ameaçam atividade fabril - Plataforma Media

Metas ambientais de Pequim ameaçam atividade fabril

Os consumidores a nível mundial podem enfrentar escassez de bens, na época natalícia, depois dos cortes de energia na China, visando atender às metas governamentais, forçarem a suspensão da atividade fabril em diferentes regiões

Na cidade de Liaoyang, no nordeste do país, 23 pessoas foram hospitalizadas com intoxicação por gás, depois de a ventilação de uma fábrica de fundição de metal ter sido desligada, após o corte no fornecimento de energia, de acordo com a emissora estatal CCTV.

Um fornecedor de componentes para os iPhones da norte-americana Apple Inc. disse que suspendeu a produção numa fábrica a oeste de Xangai, sob ordens das autoridades locais.

A interrupção da vasta indústria manufatureira da China durante uma das suas épocas mais ocupadas reflete a campanha do Partido Comunista para equilibrar o crescimento económico com os esforços para controlar a poluição e as emissões de gases poluentes.

“A resolução sem precedentes de Pequim em impor limites no consumo de energia pode resultar em benefícios a longo prazo, mas os custos económicos a curto prazo são substanciais”, disseram os economistas Ting Lu, Lisheng Wang e Jing Wang, da empresa de serviços financeiros japonesa Nomura, num relatório publicado hoje.

Os analistas reduziram a sua previsão de crescimento da economia chinesa, para este trimestre, de 5,1% para 4,7%, em relação ao mesmo período do ano anterior.

O crescimento anual foi revisto em baixa, de 8,2% para 7,7%.

Os mercados financeiros globais já estavam nervosos com o possível colapso de uma das maiores construtoras da China, a Evergrande Group, que falhou o pagamento de juros sob títulos emitidos em dólares, na semana passada.

Os fabricantes enfrentam também escassez de ‘chips’ para processadores, interrupções no transporte e outros efeitos persistentes da paralisação global de viagens e comércio, na sequência da pandemia do novo coronavírus.

Moradores no nordeste da China, onde o outono traz temperaturas baixas, relataram cortes de energia e apelaram nas redes sociais ao Governo para que restaure o abastecimento.

A crise ocorre numa altura em que os líderes globais se preparam para participar de uma conferência ambiental organizada pela ONU, por videochamada, entre os dias 12 e 13 de outubro, na cidade de Kunming, no sudoeste do país.

Isto aumenta a pressão sobre o Governo chinês para cumprir as metas de emissões e eficiência energética.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
MundoSociedade

Vencedores do prémio Príncipe William anunciados em Londres

ChinaSociedade

Pequim tenta reduzir desperdício alimentar face a clima extremo

MundoSociedade

Ativistas invadem desfile da Louis Vuitton em protesto contra mudanças climáticas

MundoSociedade

COP26 é questão de 'vida ou morte', diz John Kerry

Assine nossa Newsletter