Guterres recorda vítimas do 11 de Setembro e defende mais ligação com sobreviventes - Plataforma Media

Guterres recorda vítimas do 11 de Setembro e defende mais ligação com sobreviventes

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, recordou hoje as quase três mil vítimas dos atentados de 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos e reivindicou a importância das ligações humanas para sobreviventes de atos de terrorismo. 

Na comemoração oficial do Dia Internacional da Memória e Tributo às Vítimas do Terrorismo, na sede da ONU em Nova Iorque, Guterres liderou o evento intitulado “Sobrevivendo do Terrorismo: O Poder das Conexões” e declarou para as vítimas e sobreviventes: “Não estão sozinhos”.

“Hoje, lembramos e homenageamos os indivíduos, famílias, comunidades e sociedades que foram traumatizadas por atos de terrorismo. Este ano concentramo-nos nas conexões e a sua importância para as vítimas, especialmente no atual ambiente de pandemia”, explicou o secretário-geral da ONU.

Guterres destacou que no próximo mês serão marcados 20 anos “desde que os terroristas atacaram o Pentágono em Washington, colidiram um avião na Pensilvânia e destruíram as torres do World Trade Center aqui em Nova Iorque”.

“Cerca de 3.000 pessoas foram mortas e outras milhares ficaram feridas ou doentes com os destroços”, acrescentou o diplomata português sobre os atentados de 11 de Setembro, que geraram “horror e repulsa em todo o mundo”.

Nas últimas duas décadas, para Guterres, o terrorismo assumiu “formas anteriormente impensáveis” que “mataram e mutilaram” milhares de pessoas em todo o mundo, um flagelo reforçado pelo extremismo religioso e político violento, xenofobia e racismo.

Nesse sentido, o chefe da ONU destacou que recentemente muitas pessoas foram prejudicadas pela pandemia covid-19, com limites significativos nos encontros com entes queridos, sensação de isolamento aumentado e privação de “recursos necessários para a sua reabilitação”.

“Hoje dizemos a todas as vítimas e sobreviventes do terrorismo: vocês não estão sozinhos”, acrescentou António Guterres, reconhecendo a dor e os “benefícios do apoio, cuidado e conexão” para a saúde mental, física e bem-estar em geral das pessoas prejudicadas.

Guterres ressaltou o compromisso da ONU com as vítimas do terrorismo e declarou que os Estados devem prestar assistência especialmente àqueles que também são vítimas de violência sexual ou de género, de acordo com a Estratégia Global Contra o Terrorismo.

O secretário-geral manifestou a esperança de “aprender” como se podem “avançar esses esforços e ouvir diretamente as vítimas falarem sobre as suas necessidades e desafios no primeiro Congresso Global de Vítimas do Terrorismo”, que está a ser planeado para 2022 em Nova Iorque.

António Guterres, antigo Alto-Comissário da ONU para os Refugiados sublinhou ainda que recordar as vítimas significa também “compreender a nossa responsabilidade em evitar mais mortes”, defendendo “abordar as condições que levaram à propagação do terrorismo e apoiar os esforços para responsabilizar os terroristas pelo sofrimento que causaram”.

Related posts
ChinaMundo

Guterres considera confronto entre EUA e China "perigoso para o mundo"

ChinaMundo

China terminou o primeiro exercício multinacional da ONU no país

MundoPolítica

Reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU sobre disparo de mísseis na península coreana

Mundo

Embaixador do governo afegão deposto urge ONU a pressionar talibãs

Assine nossa Newsletter