Eleições: Tribunal Constitucional ordena recontagem de votos

Eleições: Tribunal Constitucional ordena recontagem de votos

O Tribunal Constitucional (TC) são-tomense ordenou a “recontagem integral dos votos” das eleições presidenciais realizadas a 18 deste mês, dando “provimento” ao recurso apresentado pelo candidato Delfim Neves, indica um acórdão que a Lusa teve ontem acesso

“A necessidade de legitimação dos poderes pleiteia a favor desta possibilidade excecional de recontagem integral dos votos que agora se admite (…). Em face ao exposto, decide-se conceder provimento ao recurso, e determina-se que as comissões eleitorais distritais procedam à recontagem integral dos votos para a eleição do Presidente da República”, indica o documento de 14 páginas.

Delfim Neves, também presidente da Assembleia Nacional, foi declarado o terceiro candidato mais votado no escrutínio de 18 deste mês, com 16,88% dos votos, num total de 13.691 votos, de acordo com os resultados provisórios divulgados pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN), tendo ficado excluído da segunda volta, a que acederam Carlos Vila Nova e Guilherme Posser da Costa.

O candidato denunciou o que considerou de “várias irregularidades” no ato eleitoral, incluindo o desaparecimento de cerca de 4.500 votos expressos nas urnas, como anunciou na semana passada, em conferência de imprensa, o seu diretor de campanha, João Costa Alegre.

Delfim Neves interpôs um recurso no Tribunal Constitucional requerendo a “recontagem total dos votos” ou que “seja declarada a nulidade do ato eleitoral”.

O acórdão do TC, datado de 23 de julho e hoje distribuído à imprensa, foi rejeitado por dois dos cinco juízes conselheiros, tendo o presidente, Pascoal Daio, usado o voto de qualidade para acabar com o desempate.

No acórdão constam as assinaturas de Pascoal Daio, que foi advogado de Delfim Neves, e de Hilário Garrido, cunhado do candidato.

Os juízes Maria Alice Vera Cruz Carvalho e Amaro Pereira de Couto não assinam o acórdão, tendo a indicação de “voto vencido” à frente dos seus nomes, enquanto Jesuley Novais Lopes surge como “incontactável”.

O pedido de recontagem dos votos foi também defendido pelo segundo candidato mais votado nestas eleições presidenciais.

Guilherme Posser da Costa, que obteve 16. 829 votos, equivalente a 20,75%, considerou que, “perante dúvidas que subsistem”, a recontagem dos votos permitirá esclarecer “completamente” as “coisas”.

O candidato apoiado nestas eleições pelo seu partido, o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), principal formação do Governo de Jorge Bom Jesus, sublinhou não querer “ir para uma segunda volta com qualquer tipo de suspeição”.

“Eu não me sentiria confortado, estando numa segunda volta com suspeitas de os resultados terem sido fraudados por uma ou outra candidatura, ou por quem quer que seja”, comentou na semana passada.

Maria das Neves, outra candidata, igualmente do MLSTP, que concorreu às presidenciais pela terceira vez, defendeu igualmente a recontagem dos votos, numa mensagem que difundiu na sua página da rede social Facebook.

Contactada pela Lusa, a candidatura do vencedor da primeira volta, Carlos Vila Nova, remeteu uma reação ainda para hoje.

Vila Nova, antigo ministro do governo de Patrice Trovoada (2014-2018) e apoiado oficialmente pela Ação Democrática Independente (ADI, oposição), foi o vencedor da primeira volta, com 39,47% dos votos (32.022 votos), segundo os dados provisórios da Comissão Eleitoral Nacional.

Um total de 19 candidatos concorreu no passado dia 18 às eleições presidenciais em São Tomé e Príncipe, procurando suceder a Evaristo Carvalho, que não se candidatou a um segundo mandato no Palácio do Povo.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MundoPolítica

Trump volta a dar sinais de que vai candidatar-se às presidenciais de 2024

BrasilPolítica

Bolsonaro apela aos manifestantes que desbloqueiem as estradas

BrasilPolítica

Bolsonaro diz estar a perder em algumas zonas do Brasil devido a crime eleitoral

BrasilPolítica

Eleições: Supremo defende justiça eleitoral no combate à desinformação

Assine nossa Newsletter