Portugal regista novo “máximo histórico” no número de diplomados em 2019/20

Portugal regista novo “máximo histórico” no número de diplomados em 2019/20

Portugal registou um novo “máximo histórico” no número de diplomados em 2019/20, totalizando 86 mil formados, a maioria mulheres, segundo dados divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

O ministério adianta em comunicado que, em 2019/20, os estabelecimentos de ensino superior emitiram 85.799 diplomas, mais 4.661 do que no ano letivo anterior, o que representa um crescimento de 6% face ao ano anterior.

Este crescimento de 6% face ao ano anterior representa o quarto crescimento anual consecutivo e a taxa de crescimento anual mais elevada desde 2006/07, segundo os dados publicados na sexta-feira pela Direção-Geral de Estatísticas em Educação e Ciência – DGEEC.

Mais de metade das formações (57%) foi em áreas STEAM (Ciências, Tecnologias, Engenharia, Artes e Matemática), tendo-se também registado também um crescimento de 20% de diplomas em tecnologias de informação e comunicação.

As “Ciências empresariais, administração e direito” cresceram 10%, representando 21% do total (18.310 diplomas).

Mais de metade (58%) dos novos diplomas foram atribuídos a mulheres e 64% a alunos com idade entre os 21 e os 24 anos (54.802 diplomas).

Segundo os dados, 65% dos diplomas foram concluídos no ensino superior universitário (55.622 diplomas), o que representa um aumento de 5% face ao ano anterior.

Os diplomas pelo ensino politécnico cresceram mais de 7% face ao ano anterior e incluem 30.117 diplomas, representando 35% do total dos diplomas atribuídos.

A maioria (81%) dos alunos diplomados concluíram a formação no ensino superior público (69.806 diplomas), crescendo 5% face ao ano anterior.

Os diplomas pelo ensino superior privado aumentaram 9% face ao ano anterior.

Em termos do tipo de diplomas, 52.832 (61%) referem-se a Licenciaturas, crescendo cerca de 8% face ao ano anterior.

O total dos mestrados representa 30% do total dos diplomas, incluindo mestrados de 2.º ciclo (18.200, 21% do total) e Mestrados Integrados (8.035, 9%).

Os Cursos Técnico Superior Profissionais também aumentaram cerca de 15% e atingiram 4.791 diplomas, representando 6% do total de diplomas.

Foram também atribuídos 1.940 novos doutoramentos, representando 2,3% do total dos diplomas, refere o ministério, sublinhando que continuam “a diminuir face aos anos anteriores devido à redução de bolsas de doutoramento, financiadas entre 2012 e 2015”.

“Contudo, o aumento das bolsas a partir de 2016 permite perspetivar um aumento sustentado no número de diplomas de doutoramentos nos próximos anos”, ressalva o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Os dados referem que 24% dos mestrados são em “Engenharias, indústrias transformadoras e construção” e 37% dos doutoramentos são em “Engenharias, indústrias transformadoras e construção” e em “Ciências naturais, matemática e estatística”;

O número de diplomados de nacionalidade estrangeira aumentou 21%, crescendo de 6.388 para 7.734 e passando a representar 9% do total de diplomados, menciona ainda o ministério no comunicado, salientando que 3.106 novos diplomados são do Brasil, representando 40% deste universo.

Related posts
AngolaSociedade

Baixa produção científica tira universidades angolanas do ranking das 100 melhores em África

PolíticaPortugal

Universidade do Algarve vai aumentar para 100 as vagas em Medicina

BrasilSociedade

Brasil atinge recorde de 115.228 novos casos em 24 horas

DesportoPortugal

109 golos: Ronaldo iguala recorde mundial de seleções

Assine nossa Newsletter