Desigualdade cresce e 1% no topo da pirâmide do Brasil concentra metade da riqueza - Plataforma Media

Desigualdade cresce e 1% no topo da pirâmide do Brasil concentra metade da riqueza

Número de milionários deve aumentar 74,4% até 2025, segundo relatório do Credit Suisse.

Quase metade da riqueza total do Brasil, ou 49,6%, foi parar nas mãos do 1% mais rico no ano passado, mesmo durante a pandemia do novo coronavírus. Há 20 anos, o topo da pirâmide detinha 44,2%.

Os dados fazem parte do relatório de Riqueza Global, que é publicado uma vez por ano pelo banco Credit Suisse. Na comparação entre dez países, apenas o topo da pirâmide da Rússia conseguiu concentrar mais riqueza do que a elite no Brasil.

Um movimento parecido ocorreu na maioria dos países analisados, sendo que apenas na França e na Alemanha a fatia concentrada pelo topo caiu.

Segundo o relatório, durante a segunda e terceira ondas da pandemia, no fim de 2020 e início deste ano, o Brasil se destacou em número de casos, em comparação com a região e o resto do mundo.

O documento também aponta que o Brasil entrou na pandemia com uma dívida pública que corresponde a 87,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2019 e viu um aumento para 98,9% do PIB no ano seguinte.

“Apesar de ter um presidente cético [em relação ao vírus], o Brasil forneceu pagamentos de auxílio emergencial consideráveis ​​para pessoas de baixa renda, empurrando seus gastos relacionados à pandemia para 7% do PIB.”

O relatório também recorda que a desigualdade de riqueza é alta na América Latina, especialmente no Brasil, que possui um dos maiores níveis de desigualdade no mundo.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Related posts
BrasilSociedade

Apenas um em cada 10 alunos de escolas privadas de São Paulo é negro

ChinaSociedade

Pandemia agravou o fosso entre muito ricos e muito pobres na China

São Tomé e PríncipeSociedade

Pinto da Costa é o mais rico de São Tomé e Príncipe

Cabo VerdeSociedade

Jorge Carlos Fonseca é o mais rico de Cabo Verde

Assine nossa Newsletter