Human Rights Watch acusa Israel de aplicar 'apartheid' contra os palestinos - Plataforma Media

Human Rights Watch acusa Israel de aplicar ‘apartheid’ contra os palestinos

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) classificou de “apartheid” a política de Israel para os palestinos que integram a sua população e os que vivem nos territórios ocupados, uma acusação rejeitada pelas autoridades israelenses.

Algumas ONGs israelenses usam o termo “apartheid” para fazer referência às políticas de Israel a respeito dos palestinos que vivem no território, que descendem daqueles que permaneceram nas suas casas em 1948, após a criação do Estado de Israel, e dos palestinos de Jerusalém Oriental, Cisjordânia e Faixa de Gaza.

Mas esta é a primeira vez que uma grande ONG internacional de defesa dos direitos humanos qualifica estas políticas de “apartheid”.

“Com base em investigações, a Human Rights Watch conclui que o governo israelense mantém uma dominação deliberada da população judaica israelense sobre os palestinos em todo Israel e nos territórios ocupados”, destaca o relatório publicado esta terça-feira.

Quando esta “dominação deliberada” se soma a uma “opressão sistemática e a atos desumanos, trata-se de um crime de apartheid”, conclui a HRW.

A organização destaca que baseia a conclusão na definição legal de apartheid e não numa comparação com a política aplicada no século passado na África do Sul com critérios raciais.

Antes inclusive da publicação do relatório, o ministério israelense das Relações Exteriores afirmou à AFP que era um “panfleto de propaganda”, sem nenhum vínculo com “os fatos ou a verdade” e redigido por uma organização movida “há muito tempo por uma agenda anti-israelense”.

A Autoridade Palestina considerou o relatório um “testemunho forte e confiável do sofrimento dos palestinos”.

Já o movimento islamita palestino Hamas, considerado uma organização “terrorista” por Israel, avaliou num comunicado que o relatório “confirma, apoiando-se em provas, que a ocupação sionista comete regularmente crimes contra a humanidade. Através de uma política de apartheid e de repressão contra os palestinos”.

O Hamas, no poder na Faixa de Gaza, pede “uma ação internacional séria para punir” Israel.

“Há anos dizemos que estamos próximos do apartheid (em Israel/Palestina) e acredito que agora está claro que o limite foi ultrapassado”, disse à AFP Omar Shakir, autor do relatório de mais de 200 páginas.

O “limite” foi ultrapassado, de acordo com Shakir, com o aumento das colónias israelenses em Jerusalém Oriental (a parte leste da Cidade Sagrada, ocupada em 1967 por Israel e anexada posteriormente) e na Cisjordânia, também ocupada.

O autor do relatório calcula que quase 700.000 colonos israelenses vivem nos assentamentos, que deveriam ser “temporários” e se tornaram construções “permanentes” por falta de acordo para o reconhecimento de um Estado palestino.

A HRW também cita as restrições de deslocamento, os confiscos de terras, a transferência forçada da população, a negação dos direitos de residência e a suspensão dos direitos civis como exemplos dos abusos que Israel comete para com os palestinos.

Justiça internacional

A decisão da HRW de utilizar um termo tão sensível como “apartheid” e de qualificar como “perseguição” as políticas israelenses a respeito da sua população árabe e dos palestinos foi anunciada poucas semanas depois do anúncio do Tribunal Penal Internacional (TPI) de abrir uma investigação sobre supostos crimes cometidos por Israel desde 2014 nos territórios ocupados.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, chamou a decisão do TPI de “antissemita”.

O futuro da investigação (que inclui uma parte sobre a expansão das colónias) está nas mãos do futuro promotor Karim Khan, que sucederá Fatou Bensouda em junho.

Shakir pediu ao futuro promotor para “apegar-se aos fatos, a fazer uma investigação independente e levar à justiça os implicados em crimes graves, incluindo os de apartheid e perseguição”.

O autor do relatório está na Jordânia desde que foi expulso por Israel em novembro de 2019.

A HRW, que tem sede em Nova Iorque, também faz um apelo para que a ONU crie uma “comissão internacional de investigação” sobre a situação em Israel e nos territórios palestinos, e aos países que “não sejam cúmplices” da política israelense para com os palestinos. Mas não pede um boicote contra Israel.

A organização também pediu à Autoridade Palestina que “interrompa a sua coordenação na área de segurança” com Israel para não ser “cúmplice” do “apartheid”.

O presidente Mahmud Abbas suspendeu a cooperação com Israel durante vários meses em 2020, o que provocou a paralisação por parte do Estado hebreu das transferências dos impostos alfandegários que arrecada em nome da Autoridade Palestina, o que deixou o governo Abbas sem recursos para pagar os salários dos funcionários.

Nesta terça-feira, a Autoridade Palestina não comentou este ponto do relatório, mas pediu à comunidade internacional que “atue” para não ser “cúmplice” das políticas israelenses.

Related posts
Mundo

Ofensiva de Israel em Gaza com 50 rondas de bombardeamentos em 40 minutos

MundoPolítica

Escalada entre Israel e Gaza pode resultar em "guerra em grande escala"

MundoPolítica

PR turco exorta mundo islâmico a proteger Jerusalém de ataques de Israel

MundoPolítica

Três israelitas feridos em ataque à Cijordânia ocupada

Assine nossa Newsletter