Irá o lado democrático crescer? - Plataforma Media

Irá o lado democrático crescer?

A época de eleições legislativas que acontece de quatro em quatro anos está quase a começar, como é possível compreender pelo ambiente geral da comunidade e plataformas online.

Recentemente temos vindo a assistir à ascensão de novos grupos e páginas, e desde as palavras que usam à forma como partilham informação, estas páginas são claramente políticas, porém trazem ainda alguns sorrisos à população.

Em comparação com as últimas eleições, existem dois fatores exteriores a ter em atenção que podem ser decisivos para os pró-democratas. Além de ao longo dos últimos anos a ideologia e atmosfera política na China ser cada vez mais rígida e conservadora, as pessoas também se questionam sobre como irá a onda de protestos em Hong Kong afetar o movimento pró-democrático e os eleitores mais jovens. Estes fatores externos parecem até certa medida influenciar as intenções de voto dos apoiantes pró-democráticos em Macau.

A percentagem do parlamento ocupada pelo campo pró-democracia há muito que está nos 20 por cento. Com os veteranos António Ng Kuok Cheong e Au Kam San a anunciarem há já algum tempo que irão abandonar o topo da lista, a redistribuição de votos dentro deste campo indica não só uma mudança de gerações, como representa também um teste para a sociedade civil de Macau.

A nível central, com a arena política de Macau a entrar numa fase de turbulência, é incerto se os candidatos do campo central que há quatro anos atrás foram eleitos irão voltar a conseguir convencer a população e manter as posições.

A nível geral, estou pessimista em relação à abstenção este ano, tanto devido a fatores externos como especialmente à nova ideologia urbana da população.

Será que esta democracia ainda terá espaço no campo criado pelas novas gerações?

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter