Um ano após megaconfinamento, Índia sofre com atraso na vacinação e aumento de casos - Plataforma Media

Um ano após megaconfinamento, Índia sofre com atraso na vacinação e aumento de casos

Um ano depois de impor o confinamento mais severo do mundo para lutar contra a covid-19, a Índia deseja acelerar a vacinação de seu 1,3 bilhão de habitantes, enquanto o país registra o aumento de contágios que ameaça minar os esforços feitos para superar o vírus. 

O primeiro-ministro Narendra Modi anunciou em março de 2020 o confinamento total do país para “salvar seus cidadãos” do coronavírus, mas a medida levou milhões de trabalhadores pobres às estradas. Depois de perderem o emprego da noite para o dia, estas pessoas abandonaram as grandes cidades para retornar ao campo, inclusive a pé. Muitas morreram no caminho. 

O segundo país mais populoso do mundo registrou mais 11,7 milhões de casos de covid-19 e mais de 160.000 mortes, a terceira nação mais afetada do planeta, atrás de Estados Unidos e Brasil.

Apesar dos números, as autoridades expressaram otimismo sobre a capacidade de combater de modo eficaz o coronavírus, destacando a baixa taxa de mortalidade registrada no país.

O maior fabricante de vacinas do mundo iniciou uma campanha ambiciosa para imunizar 300 milhões de pessoas até o fim de julho, mas o projeto está atrasado, com apenas 50 milhões de pessoas vacinadas até o momento. 

E o aumento de casos, com mais de 40.000 novos contágios por dia, ameaça o progresso alcançado. A taxa era de menos de 9.000 no início de fevereiro, após o pico de 100.000 diários em setembro. As restrições foram flexibilizadas gradualmente, e a economia começou a mostrar recuperação. 

O estado de Maharashtra, onde fica a capital financeira Mumbai, está sendo novamente muito afetado, porém, e se viu obrigado a impor confinamentos localizados e testes obrigatórios em áreas com muito movimento.

– “Vacinar não é uma solução mágica” –

“Temos que reconhecer que atualmente enfrentamos um número crescente de casos em muitas regiões do país, e a vacinação deve ser um aspecto-chave no conjunto da resposta estratégica”, disse à AFP o especialista em saúde, Anant Bhan.

O enorme país do sul da Ásia começou a vacinação pelos profissionais da saúde que estão na linha de frente, pessoas com mais de 60 anos e com mais de 45 e doenças graves, em janeiro. A partir de abril, todas as pessoas com mais de 45 poderão ser imunizadas.

Anand Krishnan, professor de Medicina comunitária no instituto indiano de Ciências Médicas de Nova Délhi, afirma que a “abordagem burocrática da vacinação” atrapalha a campanha.

Os funcionários devem ser mais flexíveis, afirmam outros especialistas, e facilitar o acesso à vacinação dos mais pobres e idosos, inclusive em estabelecimentos privados. 

Eles apontam que é essencial educar as comunidades sobre a necessidade de imunização para vencer as dúvidas. Também é primordial resolver as dificuldades endêmicas de um sistema de saúde com falta de financiamento.

Quase três milhões de vacinas diárias foram adicionadas na comparação com o plano original, mas a campanha continua abaixo da meta do governo.

“Deveríamos chegar a 10 milhões de vacinas diárias”, afirmou à AFP Gautam Menon, professor de Física e Biologia na Universidade de Ashoka (Haryana, norte). 

“É a única maneira real que nos permitirá superar este problema terrível a longo prazo”, completou. 

Os especialistas opinam que a campanha poderia ser intensificada nas regiões mais afetadas para conter a nova onda de contágios. Também afirmam que o governo não deve apostar apenas em seu aplicativo oficial para fazer as pessoas serem vacinas, em um país no qual o acesso à Internet e a telefones celulares ainda não foi democratizado.

E também recordam que os gestos de proteção continuam sendo mais do que nunca essenciais, com alertas contra as grandes reuniões, religiosas, políticas e de outras finalidades. Porque, afirma Anant Bhan, “as vacinas não são uma solução mágica”.

Related posts
MundoSociedade

Covid-19: Índia com menos de 200 mil casos pelo segundo dia consecutivo

MundoSociedade

Índia aproxima-se das 300.000 mortes, mas contágios continuam a baixar

MundoSociedade

A carga da pandemia para quem trabalha nos crematórios da Índia

MundoSociedade

Covid-19: Índia com 329 mil casos, valor mais baixo nos últimos 14 dias

Assine nossa Newsletter