Noruegueses arrancam com aquacultura no mar de Cabo Verde e criam 400 empregos - Plataforma Media

Noruegueses arrancam com aquacultura no mar de Cabo Verde e criam 400 empregos

Uma empresa norueguesa pretende arrancar este ano com a primeira fase de uma unidade de produção de atum em aquacultura na ilha de cabo-verdiana de São Vicente, prevendo gerar até 400 empregos em três anos.

A informação consta do Estudo de Impacto Ambiental para a instalação, na primeira fase, do Atlantic Blue Fin Tuna Farming, na praia de Flamengo, ilha de São Vicente, que implicará, para já, um investimento de 2,5 milhões de euros da Nortuna AS – Noruega, que se somam a seis milhões de euros no programa de pesquisa e desenvolvimento sobre a espécie ABFT (Atlantic Blue Fin Tuna ou atum-rabilho do atlântico).

De acordo com o estudo, a que a Lusa teve hoje acesso, a primeira fase implica a montagem do processo de incubação e produção de biomassa para atum rabilho, em junho de 2021, seguindo-se a expansão e processamento, no primeiro trimestre de 2022, e depois o início da produção em larga escala, bem como transformação, daquela espécie, entre 2023 e 2024, que será a terceira e última fase do projeto.

“O projeto de aquacultura que a Nortuna pretende implementar em Cabo Verde tem por base os oito anos de atividades de pesquisa realizadas pela empresa”, lê-se no estudo de impacto ambiental.

O atum-rabilho (Thunnus thynnus), que pode ultrapassar os 200 quilogramas por peixe, é considerado o “rei” do sushi e apresenta, recorda a empresa, o valor mais alto de mercado, com o Japão a garantir 60% das compras.

Trata-se de uma espécie classificada como ameaçada e o excesso nas capturas no Atlântico e no Pacifico levou várias empresas a apostarem em produção certificada através de aquacultura.

A primeira fase deste projeto arranca com a previsão de criação de 12 postos de trabalho, que sobe para 92 empregos na segunda fase e para 400 empregos até 2024, com o pleno funcionamento de uma “fazenda ‘offshore’” no mar cabo-verdiano, para produção daquela espécie de atum em aquacultura.

A primeira fase, de piloto, envolve a construção das zonas de incubadoras e de montagem dos equipamentos que definem o processo de incubação e de teste, tendo já a capacidade de produção de até 300 toneladas por ano.

A segunda fase já comporta o cultivo da espécie ABFT na baía – aquacultura no mar – de Flamengo “em larga escala”, cujo volume de produção estimado se situa entre 8.000 e 10.000 toneladas por ano.

A terceira fase comporta a produção em larga escala, a transformação e “o alargamento da produção para outras ilhas de Cabo Verde, nomeadamente Santo Antão e São Nicolau”, explica a empresa no estudo.

De acordo com o documento, os sócios da norueguesa Nortuna decidiram-se pela criação de uma empresa com sede na ilha de São Vicente, a Nortuna Cabo Verde, e a nível financeiro “os promotores demonstram total confiança na viabilidade do projeto”.

“Apostam que a Nortuna Cabo Verde seja montada com base na autonomia económica e financeira. É de referir que o financiamento inicial (dois primeiros anos) do projeto está garantido em 70% pelos investidores da Nortuna AS e os restantes 30% por combinação de empréstimos e apoio das autoridades norueguesas”, acrescenta a informação no estudo.

Além dos postos de trabalho que serão gerados diretamente relacionados com a operacionalização do projeto, está previsto que o empreendimento permita criar mais 150 a 200 empregos indiretos, nos serviços de apoio à atividade daquela unidade.

Globalmente, o projeto envolve, na fase piloto, uma área reservada de quase 6.000 metros quadrados e posteriormente está ainda prevista a montagem de um pequeno porto que servirá de apoio as atividades no mar.

O estudo descreve que a Nortuna é uma empresa que “nasceu com o propósito de desenvolver e implementar iniciativas no setor da indústria pesqueira”, no setor de aquacultura e “com foco na implementação de um modelo de produção industrial para a produção aquícola de atum rabilho do atlântico”.

Acrescenta que a aquacultura abastece atualmente o mercado mundial com cerca de 50% do pescado consumido e que até 2030 precisará de elevar essa produção a 85 milhões de toneladas de peixes (o dobro da produção atual) “para manter os atuais níveis de consumo per capita”.

“Em linhas gerais, o mercado global de atum e espécies afins é um dos mais importantes em valores de venda e demanda, com mais de sete milhões de toneladas por ano, e com maior rentabilidade e repercussão a nível internacional”, destacam os promotores, para justificar o investimento em Cabo Verde.

Sublinham que a aquicultura, “desde que corretamente exercida, não é considerada uma ameaça ao ecossistema, nem o seu futuro hipotecado a favor de outras atividades utilizadoras das mesmas zonas costeiras”, e que “há indubitavelmente lugar para o desenvolvimento sustentável da produção aquícola do peixe numa perspetiva de gestão integrada das zonas costeiras”.

Related posts
MacauSociedade

Universidade de Macau aposta na internacionalização

AngolaPolítica

UNITA diz que Tribunal Constitucional aceitou providência cautelar

AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

Cabo VerdeEconomia

Noruegueses escolhem Cabo Verde para a produção de atum em aquacultura

Assine nossa Newsletter