Rumo a um futuro energético (tendencialmente) 100% renovável - LNEG coordena projeto Europeu na área dos mercados de Energia - Plataforma Media

Rumo a um futuro energético (tendencialmente) 100% renovável – LNEG coordena projeto Europeu na área dos mercados de Energia

O desenvolvimento de novos conceitos de negociação de energia e de desenhos de mercados de eletricidade que favoreçam o desenvolvimento de sistemas electroprodutores quase 100% renováveis, são um passo imprescindível para o cumprimento das metas Europeias em matéria de Energia e Clima, e constituem o objetivo principal do recente projeto Europeu H2020 TradeRES coordenado pelo LNEG – Laboratório Nacional de Energia e Geologia, um Laboratório de Estado integrado no Sistema Científico e Tecnológico Português.

Nos últimos anos, os estados membros da União Europeia (EU) e vários outros países desenvolvidos fora da UE têm evoluído no sentido da descarbonização e da sustentabilidade ambiental do sector energético e, como tal, a incorporação de energias renováveis nos mixes energéticos Europeus evoluiu de forma marcante nas últimas décadas. Na Europa, e pela primeira vez em 2020, a eletricidade de origem renovável, ultrapassou a obtida a partir de fontes fósseis. Esta tendência, contudo, não se vê refletida na configuração dos mercados de eletricidade, que adoptam uma estrutura concebida num período onde dominavam as tecnologias convencionais (e as centrais elétricas ditas despacháveis) mercado esse, usualmente, designado por mercado marginalista na formação do preço da energia elétrica.

A formação de preços em mercados marginalistas não foi pensada para sistemas electroprodutores nos quais as tecnologias renováveis variáveis no tempo, i.e. Eólica e Solar Fotovoltaica sejam dominantes – o que, previsivelmente, vai ocorrer nas próximas décadas de transição energética, i.e. entre 2025 e 2050 – já que, por um lado, estas apresentam custos marginais próximos de zero e, por outro, não oferecem garantia de potência nem (total) capacidade de despacho da produção.

Esse princípio básico de organização de mercado é disfuncional num sistema de energia com elevada participação de fontes de energia renováveis ​​variáveis no tempo e não despacháveis, além de não reconhecer o seu verdadeiro valor para a Sociedade, as Economias e para o Ambiente. Entre várias consequências, esta situação limita a rentabilidade dos produtores de eletricidade com origem renovável e diminui o estímulo em novos investimentos de tecnologia eólica e solar PV, mas também em tecnologias convencionais despacháveis, essenciais para garantir a robustez e segurança do sistema electroprodutor, na atual fase de transição energética.

Atingir os ambiciosos objetivos europeus para as próximas décadas requer a conceção de novos mercados, inovadores e integradores dos vários vetores energéticos que, expectavelmente, dominarão o sector energético a médio prazo.

Assim surgiu o projeto europeu TradeRES – Tools for the Design and Modelling of New Markets and Negotiation Mechanisms for a ~100% Renewable European Power System, financiado pelo H2020 (call H2020-LC-SC3-2019-ES-SCC), e que irá desenvolver e testar desenhos e produtos inovadores de mercado de eletricidade que possam atender às necessidades da sociedade de um sistema de energia (quase) 100% renovável. Um projeto de mercado sustentável de longo prazo precisa fornecer incentivos operacionais e de investimento eficientes para um sistema elétrico, que é caracterizado por uma elevada percentagem de fontes de energia renováveis ​​variáveis ​, aumentando a integração de outros setores de energia, por exemplo, transportes e hidrogénio. Por outro lado, este mercado deverá integrar, desde a participação dos consumidores através de mecanismos adequados de gestão da procura, da sua possível integração em comunidades locais de energia, até à interligação dos mercados nacionais (regionais) e dos mercados de eletricidade à escala Europeia.

O arranque do projeto, em Fevereiro de 2020 e primeiro ano do projeto coincidiram com o adensar da pandemia, que atualmente atravessamos. Pese embora os desafios acrescidos, as atividades do projeto decorreram segundo a calendarização prevista e o projeto está a ser igualmente usado como um modelo de teste para o trabalho de investigação e desenvolvimento em modo remoto. Assim, destacam-se os workshops de trabalho na área da modelação energética num contexto de mercados de energia, as várias reuniões de trabalho, onde se incluíram já duas reuniões plenárias de coordenação e, em Dezembro de 2020, a primeira de várias reuniões previstas com um Advisory Board constituído por um conjunto de stakeholders internacionais, que tem como papel o aconselhamento do consórcio ao longo do projeto.

É de realçar que, com exceção dos relatórios internos de cariz administrativo, a grande maioria dos relatórios e estudos a produzir no seio do projeto TradeRES são de acesso público, assim como as ferramentas de simulação de mercados que se irão desenvolver. Mais informações sobre o projeto podem ser consultadas no sítio do projeto disponível em: https://traderes.eu/ onde estão já disponíveis os deliverables produzidos no primeiro ano do projeto.

Parceiros do projeto: LNEG (Coord., PT), TUDelft (NL), VTT (FI), TNO (NL), ISEP (PT), Imperial College London (UK), DLR (DE), bitYoga (NO), SmartWatt (PT), EnBw (DE).

Mercados e atores abordados no projeto TradeRES

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
EconomiaTimor-Leste

Fundo Petrolífero timorense deverá cair 40% até final de 2026

Moçambique

Plataforma faz-se ao mar na Coreia para dar gás a Moçambique

Política

Crise climática impulsiona a energia nuclear na COP26

China

China reduz escassez energética com aumento da produção de carvão

Assine nossa Newsletter