ONG lança radionovela para travar recrutamento de jovens por grupos armados em Cabo Delgado - Plataforma Media

ONG lança radionovela para travar recrutamento de jovens por grupos armados em Cabo Delgado

A ONG moçambicana Mecanismo de Apoio à Sociedade Civil (MASC) lançou uma radionovela que visa travar o recrutamento de jovens por grupos insurgentes que têm protagonizado ataques armados na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

Denominada “Não Vale à Pena: Stop Violência Extremista”, a radionovela incentiva os jovens, principalmente os da zona norte de Moçambique, a criar iniciativas para o autossustento, para evitar que “se aliem aos terroristas”, considerando que a condição de vulnerabilidade os torna “alvos fáceis para os insurgentes”.

“É necessário criar uma forma mais atrativa de prevenir e conter a violência extremista. Os jovens, como já estão vulneráveis, veem na insurgência uma forma de ter salário, mesmo que não concordem com as ideologias. Eles veem aquilo como única saída”, disse à Lusa Maria Rosária, uma das responsáveis do projeto no MASC.

A radionovela conta a história de dois jovens que saíram da sua vila atrás de melhores condições de vida, mas foram capturados pelos insurgentes.

“Eles têm um final feliz, mas durante o desenrolar da história acontecem várias coisas que mostram que não vale a pena juntar-se aos insurgentes”, explicou Maria Rosária.

Para melhor difundir a mensagem, cujo principal grupo-alvo são os jovens do norte do país, o MASC pretende traduzir a radionovela para as línguas locais, estando já a traduzir para o macua, uma língua muito falada naquela região.

“Queremos criar também sessões de escuta nas comunidades”, acrescentou.

A radionovela, já lançada em Maputo, é transmitida às segundas, terças, quintas e sextas-feiras, através da Rádio Moçambique e nas plataformas de Internet da fundação, pretendendo-se também divulgar através de rádios comunitárias e emissores provinciais.

“O grande lançamento vai ser no próximo ano, nas línguas locais, mas achamos que é importante também disseminar [a radionovela] aqui na zona sul porque muitos não têm noção do que está a acontecer”, concluiu.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

MoçambiquePolítica

UE/Presidência: Aprovada resolução para dar prioridade à crise humanitária em Moçambique

Assine nossa Newsletter