Cabo Delgado: Nyusi afirma que terrorismo tem "mão estrangeira" e explica como tudo começou - Plataforma Media

Cabo Delgado: Nyusi afirma que terrorismo tem “mão estrangeira” e explica como tudo começou

Num discurso de três horas frente ao Parlamento, no dia 16 de dezembro, o presidente moçambicano Filipe Nyusi dedicou grande parte do seu tempo a falar sobre um dos temas que atualmente domina o país: o terrorismo em Cabo Delgado.

O presidente de Moçambique explicou que a “atividade de grupos que se intitulavam de islâmicos começou em 2012”, quando um cidadão de nacionalidade tanzaniana, identificado como Abdul Shakulo, incitou manifestações radicais e várias práticas que contrariavam a essência do Islamismo e a Constituição da República. Algumas das práticas foram a proibição das crianças frequentarem as escolas e, enquanto recrutava pessoas para aderirem ao seu culto, “promovia a entrada nas Mesquitas com sapatos, calções e objectos contundentes”. Mas as práticas do cidadão tanzaniano acabaram por ser disseminadas.

Nyusi afirmou que em 2012 já se tinha conhecimento das atividades e que tentaram conter as mesmas até 2017, quando surgiram os primeiros ataques armados em Cabo Delgado, com o seu início em outubro do mesmo ano, onde “assassinar, decapitar e esquartejar as populações” tornou-se o seu modo de operar. Até agora, dos terroristas capturados ou mortos em combate, distinguem-se cidadãos de nacionalidade tanzaniana, congolesa, somali, ugandesa e queniana, segundo Nyusi, concluindo o leque de terroristas com vários moçambicanos recrutados, que formam a maioria do grupo. “Têm estado a recrutar jovens das provincias de Cabo Delgado, Nampula, Zambézia”, entre outros, reiterou o presidente moçambicano.

“As suas lideranças são, maioritariamente, estrangeiras, como é o caso dos tanzanianos, Sheik Ibrahimo, que foi abatido, o Sheik Hassan Zuzure, Abdul Azize. Para além destes líderes, conta-se ainda com o Sheik Aji Ulathule e Faragi Nancalaua, que foram mortos também em combate”, distinguiu o Presidente da República.

No entanto, Nyusi não deixou de reconhecer que chegou a hora de reorganizar a Defesa Nacional, que tem revelado dificuldades em extinguir a ameaça presente. “Para o combate ao terrorismo, o governo assume o compromisso de intensificar a formação, reequipamento e modernização das forças de defesa e segurança em todas as especialidades”, afirmou o chefe de Estado, acrescentando ainda que já está a reforçar a cooperação internacional.

O chefe de Estado falou ainda das fontes de financiamento do grupo terrorista. “Atualmente, as fontes de financiamento conhecidas são a pilhagem de produtos das populações, transferências monetárias de colaboradores via eletrónica e rendimentos provenientes do crime organizado”, explicou.

A violência armada em Cabo Delgado está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 571 mil pessoas deslocadas (número atualizado hoje pelo chefe de Estado), sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Augusto Santos Silva em missão da UE até quinta-feira em Maputo

MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

Assine nossa Newsletter