Polícia brasileira indicia seis arguidos pelo homicídio racista de um homem negro no Carrefour - Plataforma Media

Polícia brasileira indicia seis arguidos pelo homicídio racista de um homem negro no Carrefour

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul indiciou nesta sexta-feira seis pessoas pelo homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, asfixia e recurso que impossibilitou defesa da vítima) de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro espancado até a morte num supermercado Carrefour em Porto Alegre em 19 de novembro

Os policiais não indiciaram os acusados por injúria racial ou racismo, mas incluíram o termo “racismo estrutural” no motivo torpe.

Os acusados são Giovane Gaspar da Silva e Magno Braz Borges, os dois seguranças que fizeram as agressões em si, Paulo Francisco da Silva, funcionário da empresa de segurança Vektor que impede que a esposa de Freitas se aproxime e tente ajudar o marido, e três funcionários do Carrefour: Adriana Alves Dutra (que tenta impedir a gravação), Kleiton Silva Santos e Rafael Rezende, ambos ajudam na imobilização da vítima.

Os seguranças estão presos desde a morte de Freitas, e a polícia pediu a prisão de outros três indiciados. O inquérito agora está nas mãos da Justiça e há mais de 40 testemunhas ouvidas pelos policiais.

O brutal assassinato de Freitas foi gravado por clientes do Carrefour e gerou uma onda de indignação tanto em Porto Alegre como em outras partes do país por, mais uma vez, a vítima ser uma pessoa negra.

Leia mais em ISTOÉ

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Polícia brasileira detém funcionária do Carrefour envolvida na morte de cidadão negro

BrasilSociedade

Defesa de segurança do Carrefour nega intenção de matar Beto Freitas ou motivação racista

Assine nossa Newsletter