A saúde dos olhos - Plataforma Media

A saúde dos olhos

Devido à pandemia, o tempo de uso de produtos eletrónicos aumentou. De acordo com uma pesquisa realizada na China, a taxa de deficiência visual entre alunos do ensino médio é de 89,3%. Ou seja, entre 10 alunos do ensino médio, apenas um aluno tem boa visão. Durante o período de prevenção e controle da pandemia, 80% dos alunos tiveram aulas online todos os dias e 47,9% tiveram aulas online mais de 2,5 horas por dia.

O uso de equipamentos eletrónicos tem impacto direto na miopia, e a saúde ocular das pessoas não é boa. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, atualmente existem cerca de 1,4 mil milhões de pessoas míopes no mundo, e quase metade delas está na China. Este ano, a população míope da China deve ultrapassar os 700 milhões.

A dependência de dispositivos eletrónicos, como smartphones e computadores deve aumentar, especialmente nesta geração onde o pagamento eletrónico é popular. De acordo com dados da Agência de Saúde de Macau, a taxa geral de problemas de visão dos alunos do ensino primário em Macau no ano letivo 2017-2018 é de 17,1%. O que significa que em seis alunos, um tem má visão.

Ao popularizar os pagamentos eletrónicos e a sociedade digital, as pessoas também devem prestar atenção aos efeitos colaterais do uso de dispositivos eletrónicos. Imagine quanto tempo toca no ecrã todos os dias, desde acordar até dormir, incluindo trabalho, entretenimento, uso de ferramentas de pagamento, etc. Muitos pais usam agora os tablets para que os filhos estabilizem as suas emoções. A exposição das crianças a produtos eletrónicos desde tenra idade tem um forte impacto na sua visão.

A resolução da tela continua perseguindo um mundo mais claro. De 1080P, 2K, 4K, aos atuais 8K, está mais claro do que nunca. Mas, ainda nos lembramos da sensação de ver o céu estrelado com os nossos olhos?

*Editor da edição em chinês do PLATAFORMA

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
Editorial

11 de novembro

Opinião

Não Ampliar a visão

Editorial

Correção

Editorial

A quem deve dizer: Não se concentre no salário

Assine nossa Newsletter