Quem são os militantes do Al-Shabab que espalham o terror em Moçambique - Plataforma Media

Quem são os militantes do Al-Shabab que espalham o terror em Moçambique

Uma violenta rebelião atingiu o norte de Moçambique faz este mês quatro anos. Até agora já fez mais de dois mil mortos e pelo menos 310 mil deslocados.

A rebelião é travada por um grupo obscuro conhecido localmente como Al-Shabab, que há um ano jurou lealdade ao chamado Estado Islâmico, mas a sua liderança permanece pouco clara e os seus motivos só foram revelados recentemente.

Com base em várias fontes, incluindo segurança, militares, especialistas em inteligência e relatórios de especialistas, a AFP reuniu alguns elementos-chave sobre o que se sabe até agora deste grupo.

Raízes da rebelião

Por volta de 2007, líderes religiosos islâmicos começaram a notar um “movimento estranho” entre alguns jovens que praticavam um tipo “diferente” de Islão, bebiam álcool e entravam em mesquitas vestindo calções e sapatos.

Os jovens insatisfeitos formaram a Ansaru-Sunna, uma subunidade do Conselho Islâmico na província de Cabo Delgado, no extremo norte, e construíram novas mesquitas enquanto adotavam uma forma mais dura de Islão, de acordo com Eric Morier-Genoud, professor da Queen’s University Belfast, na Irlanda do Norte .

O governo local estava ciente de sua existência, mas subestimou a sua capacidade, notam os moradores.

“Todos nós sabíamos que eles eram perigosos, mas nunca pensamos que fossem capazes de travar uma guerra”, disse um imã local que então morava em Mocímboa da Praia que, mais tarde, viria a tornar-se o epicentro da insurgência.

Liderança

Inicialmente, após 5 de outubro de 2017, quando encenaram o primeiro ataque, os membros esconderam as suas identidades, mas em março, o grupo desmascarou os seus guerrilheiros em vídeos ao declarar abertamente o seu objetivo de transformar a região rica em gás num califado.

Ao contrário de grupos jihadistas como o Boko Haram na Nigéria, que tem um líder central, o Al-Shabab de Moçambique parece não ter um chefe definitivo.

Mas o Centro de Jornalismo Investigativo (CJI) de Moçambique sugere dois possíveis líderes.

Um deles é Abdala Likonga, que se acredita ter recebido educação religiosa e treino em operações de insurgência no Quénia e na República Democrática do Congo.

Em 2018, no entanto, a polícia nomeou seis homens como líderes do grupo, exceto Likonga.

O chamado Estado Islâmico assumiu a responsabilidade por cerca de 40 ataques desde junho do ano passado, quando abriram a franquia da África Central, de acordo com o consultor do International Crisis Group, Piers Pigou.

“Eles são obviamente afiliados ao ISIS, mas parecem receber pouco ou nenhum apoio além dos benefícios baseados na propaganda da afiliação”, disse John Stupart, diretor da African Defense Review, da África do Sul.

Recrutamento forçado

Enquanto vários jovens são colocados nas fileiras, alguns, já inclinados ao sectarismo, aderiram voluntariamente.

Outros são atraídos por falsas promessas de bolsas de estudo para aprofundar os estudos islâmicos no exterior – apenas para acabar em campos de treino nas densas florestas de Cabo Delgado.

“No início era por aliciamento, com promessas de dinheiro ou emprego. Mas agora pessoas são sequestradas ou raptadas, o que fez o grupo crescer rapidamente”, disse Enio Chingotuane, especialista em estudos de segurança da Universidade Joaquim Chissano em Maputo

Fontes da inteligência militar no local estimam a força do grupo em cerca de 4.500 pessoas, dos quais dois mil estão armados.

Também há estrangeiros envolvidos, incluindo alguns tanzanianos, mas o seu papel permanece nebuloso

“Há claramente uma presença estrangeira”, disse Pigou.

Gás, rubis e financiamento

Tem havido sugestões de uma ligação entre os recursos naturais do país, com gás e rubis que podem ter desempenhado um papel no direcionamento de alguns jovens para a militância.

O projeto de gás veio com grandes promessas de oportunidades de emprego para tirar as pessoas da pobreza numa das nações mais pobres do mundo.

Mas o projeto ainda não entregou os empregos tão esperados na região mais pobre do país. Em vez disso, deslocou alguns camponeses de suas áreas de pesca e cultivo.

Centenas de mineiros artesanais expulsos no início de 2017 das minas de rubi de Montepuez podem ter sido amarrados às fileiras dos insurgentes.

“Isso levou as pessoas a reagir com violência”, disse Chingotuane.

Não há evidências de contrabando de armas para o grupo, também conhecido pelo nome árabe Ahlu Sunnah Wa-Jama (ASWJ).

“O ASWJ parece ser totalmente autossuficiente através de actos de banditismo” e da captura de armas em batalha, disse Stupart.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Em Cabo Delgado já não se contam os mortos

MoçambiquePolítica

Portugal admite enviar militares para combater terroristas em Moçambique

MoçambiqueSociedade

Casamentos forçados aos 11 anos para famílias sobreviverem em Moçambique

MoçambiqueMundo

Cabo Delgado: Mais de 500 detidos na Tanzânia serão extraditados para Moçambique

Assine nossa Newsletter