China quer elevar patamar de cooperação científica com o Brasil

China quer elevar patamar de cooperação científica com o Brasil

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi assegurou ao homólogo brasileiro, Ernesto Araújo, que Pequim está disposta a trabalhar para construir em conjunto com Brasília um “plano mais elevado” de cooperação científica e de inovação, incluindo a nova geração de comunicações também conhecida por 5G. 

A conversa de Yi com Araújo aconteceu sexta-feira, via telefone, dia que coincidiu com a chegada ao Brasil do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo. A China e os EUA estão envolvidos numa disputa cerrada sobre a adoção pelo Brasil da nova geração de comunicações, conhecida por 5G. 

Segundo a transcrição da conversa, publicada pela agência noticiosa chinesa Xinhua, Wang Yi disse que a China está disposto a expandir a cooperação de investimentos com o Brasil em diferentes campos, incluindo petróleo e gás, eletricidade, mineração e construção de infraestruturas. 

Wang disse que os dois lados vão criar um “novo patamar” de cooperação científica e de inovação e promoverão novas plataformas de cooperação, como a economia digital, a energia limpa, a agricultura inteligente, a telemedicina, as cidades inteligentes, as comunicações 5G e os big data, para promover a modernização industrial e a transformação digital entre ambos. 

A China continuará a abrir o mercado para os produtos agrícolas de alta qualidade brasileiros e dará as boas-vindas ao Brasil para participar da terceira China International Import Expo, disse Wang.

Wang acrescentou que a China e o Brasil são mercados emergentes importantes e não há conflito de interesses fundamental entre ambos, com a cooperação a superar em muito a competição e o consenso a sobrepor-se às diferenças.

Araújo agradeceu à China a assistência material anti pandémica ao Brasil, dizendo que o país está disposto a fortalecer ainda mais a cooperação com a China na pesquisa, desenvolvimento e produção de vacinas.

Disse ainda que o Brasil está pronto para dar pleno andamento aos mecanismos de cooperação existentes, aprofundar a cooperação prática em áreas como agricultura, comércio e investimentos, proteção ambiental, energia limpa e economia digital, de modo a impulsionar a parceria estratégica abrangente China-Brasil a um novo nível.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
EconomiaMoçambique

Moçambique recebeu quase 400 milhões de euros dos parceiros internacionais em ajudas Covid

AngolaMundo

Angola assinala “mudanças qualitativas” na cooperação com a União Europeia

AngolaChina

Primeira-dama de Angola recebe material de proteção da Covid-19 da primeira-dama da China

FuturoGrande Baía

Novo Porto de Hengqin quer criar “fronteira inteligente”

Assine nossa Newsletter