Covid-19 encolheu comunidade - Plataforma Media

Covid-19 encolheu comunidade islâmica de Macau

A pandemia que assola o mundo reduziu o número de muçulmanos que residem em Macau e afetou o período do Ramadão, quando o Governo ordenou o encerramento dos espaços religiosos de Macau durante um mês

O PLATAFORMA foi convidado a aparecer, numa sexta-feira, na Mesquita e Cemitério da Associação Islâmica de Macau, ao Ramal dos Mouros, para assistir à Salat que, por ser a segunda oração do dia, ao meio-dia, depois de o sol ter atingir o ponto máximo, se denomina como Dhur.

Os muçulmanos rezam cinco vezes ao dia, ou seja, realizam cinco Salat (Fajr, ao alvorecer; Dhur, ao meio-dia, depois de o sol ter atingir o ponto máximo; Asr, entre o meio-dia e o pôr do sol; Maghrib, logo após o pôr do sol; Isha, de noite, pelo menos uma hora e meia após o pôr do sol e antes da hora de fajr, não podendo ser depois da meia-noite).

Compreensivelmente, não se pôde entrar na mesquita durante a oração (Dhur), e as restrições para fotografar foram muitas. Ainda assim, conseguimos ter uma perceção do que é um dos momentos mais altos do dia para os muçulmanos. De pé, curvados ou de joelhos, os crentes recitam um conjunto de versículos do Alcorão e a reza foi feita em árabe, inglês e chinês.

Dados recentes, compilados antes da pandemia do novo coronavírus que assola o mundo, apontaram para a existência de cerca de 11 mil muçulmanos em Macau, mas depois de Fevereiro esse número deve ser diminuído. 

“Muitos saíram por causa do coronavírus e voltaram aos seus países. Neste momento, não sabemos o número real de muçulmanos no território. Talvez uns 6.000”, avançou ao PLATAFORMA o imã Ding Shao Jie, em conversa depois de terminada a oração.

O imã de Macau – onde reside há dois anos – é natural de Pequim, mas viveu muitos anos em países árabes. “A China tem cerca de 50 milhões de mulçulmanos, mas a minha educação religiosa fez-se maioritariamente no Paquistão e na Arábia Saudita.”

À espera do Governo

Pela primeira vez a mesquita de Macau encerrou por completo ao público, durante um mês, e numa altura muito especial para os muçulmanos: o Ramadão. Ding Shao Jie explicou que a exceção foi compreensível e surgiu numa altura em que todo o mundo se debate com um problema sanitário grave e sem fim à vista. “Totalmente compreensível que o Governo tenha ordenado o fecho dos espaços religiosos por um mês. Precisamos todos de ter a noção do que é a Covid-19 e o que ela pode provocar”, afirmou.

Por falar do Governo de Macau. O complexo da mesquita de Macau está degradado. Há anos que a Associação Islâmica de Macau aguarda que o Executivo dê carta-branca para o plano de renovação apresentado pela entidade para aquele espaço. “Temos planos para construir uma nova mesquita há dez anos. Mas [o Governo] teima em não dar resposta à nossa pretensão. Até ao final deste ano pode ser que haja novidades por parte da equipa liderada por Ho Iat Seng”, revelou o imã.

Extremismos

Com presença em Macau há cerca de 400 anos, os islâmicos são uma comunidade totalmente integrada no dia-a-dia da cidade. “Não sinto que sejamos ostracizados, mas confesso que nem sempre é fácil, pois, infelizmente e injustamente, o islão está sempre a ser associado ao terrorismo”, desabafou.

Para o imã de Macau, movimentos extremistas como o Estado Islâmico ou a Al Qaeda, não deveriam existir. “Não representam o islão. De todo. Aliás, são pessoas que não sabem o que é ter fé. Os muçulmanos querem paz, mas estão sempre ligados a questões de conflito. É muito revoltante”, disse. Questionado, escusou-se a comentar a situação da comunidade islâmica no continente.

A relação entre as diversas religiões do território é, de acordo com o imã de Macau, saudável. “De vez em quando, não tanto como desejaria, conversamos e trocamos opiniões e até livros. Sou muito interessado por questões de religião em geral e gosto de ler livros e ouvir histórias sobre as outras religiões”, confessou Ding Shao Jie.

Sem revelar a identidade, o imã adiantou que a comunidade islâmica de Macau tem um representante nacional português.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
Hong KongLusofonia

De cara lavada, Clube Lusitano de Hong Kong tenta recuperar do impacto da pandemia

MacauSociedade

Macau: Português suspeito de tentativa de violação durante aula de fitness

AngolaEconomia

“Angola não está integrada nos projectos de estradas regionais por culpa própria”

PolíticaPortugal

"Na Venezuela os portugueses para terem apoio têm de estar na miséria total"

Assine nossa Newsletter