Cabo Verde demite presidente de empresa associado a contactos com Maduro - Plataforma Media

Cabo Verde demite presidente de empresa associado a contactos com Maduro

O Governo cabo-verdiano afastou de funções o presidente da Emprofac por “desvio” das funções, quando o nome de Gil Évora foi divulgado como um dos dois nacionais que se reuniram com Nicolás Maduro, sobre a detenção de Alex Saab.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o Governo cabo-verdiano dá conta que, ao abrigo da “deliberação unânime” do acionista único da Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos (Emprofac) “foi procedida à demissão, com efeitos imediatos”, do presidente do conselho de administração da empresa estatal, Fernando Gil Évora, “em consequência da violação dos deveres inerentes ao gestor público e desvio da finalidade das funções”.

No comunicado não são concretizados motivos para este afastamento, mas que surge dois dias após o jornal “El Nuevo Herald” ter avançado que um ex-alto funcionário do Governo de Cabo Verde e um empresário cabo-verdiano chegaram “secretamente” a Caracas no início da semana e mantiveram uma reunião com o Presidente Nicolás Maduro, no palácio presidencial, para abordar o diferendo diplomático em torno da extradição pedida pelos Estados Unidos da América (EUA).

O jornal, com sede em Miami (EUA) e especializado em assuntos da América Latina, avançava, citando a documentação do terminal do aeroporto, que os dois elementos eram Carlos Jorge Oliveira Gomes dos Anjos e Fernando Gil Alves Évora.

Em comunicado divulgado na quinta-feira, o Governo cabo-verdiano afirmou que tem garantido a defesa do empresário Alex Saab Móran, com pedido de extradição pelos EUA, considerado testa-de-ferro de Nicolás Maduro, negando ter enviado emissários à Venezuela.

“O Governo de Cabo Verde não enviou ninguém, nem qualquer missão, à República Bolivariana da Venezuela”, lê-se.

O arquipélago de Cabo Verde está no centro de uma disputa entre os EUA e a Venezuela desde a detenção do empresário colombiano.

Alex Saab, 48 anos, foi detido em 12 de junho pela Interpol e pelas autoridades cabo-verdianas, durante uma escala técnica no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, com base num mandado de captura internacional emitido pelos EUA, que o consideram um testa-de-ferro de Nicolás Maduro. Contudo, a defesa e o Governo da Venezuela insistem na ilegalidade da detenção, por viajar com passaporte diplomático, como “enviado especial” do executivo de Maduro.

Entretanto, o Tribunal da Relação do Barlavento, na ilha de São Vicente, a quem competia a decisão de extradição, aprovou esse pedido em 31 de julho, mas a defesa de Saab recorreu para o Supremo Tribunal do país.

Related posts
MundoPolítica

Maduro chama observadores eleitorais da UE de 'inimigos' e 'espiões'

MundoPolítica

Mais de 350.000 militares e policiais vigiam as eleições na Venezuela

MundoPolítica

TPI avança para investigação formal à Venezuela por violação de DH

MundoPolítica

TPI investiga Venezuela por crimes contra a humanidade

Assine nossa Newsletter