Isabel dos Santos perde em tribunal contra Estado - Plataforma Media

Tribunal de Paris dá razão ao Estado angolano contra empresa de Isabel dos Santos

O Tribunal Arbitral de Paris não deu provimento ao processo aberto contra o Estado angolano pela empresa Atlantic Ventures, ligada à empresária Isabel dos Santos, que contestava a perda da concessão do Porto do Dande

Em nota enviada hoje à Lusa, o Tribunal de Paris afirma que a decisão, de sexta-feira passada, foi tomada “por unanimidade e não admite recurso a qualquer outra instância”. A Atlantic Ventures de Isabel dos Santos perde mesmo a concessão do porto di Dande.

Segundo o Tribunal de Paris, três árbitros decidiram dar razão ao Estado angolano no processo, pelo que, observa, na prática a Atlantic Ventures de Isabel dos Santos se vê “efetivamente afastada do usufruto” da extensão de terra idealizada para a construção do Porto da Barra do Dande, província angolana do Bengo.

O tribunal francês adianta igualmente que os árbitros não deram provimento à Atlantic Ventures para a constituição de uma zona franca, num perímetro desde a foz do rio Dande até às proximidades da zona do Capolo, em Luanda.

Além de negar provimento às pretensões da empresa e dar razão ao Estado angolano, o Tribunal Arbitral de Paris condenou também a mesma a pagar ao Estado angolano o montante de 132,8 milhões de kwanzas (203 mil euros) em compensação pelos custos causados pela arbitragem.

A concessão do Porto do Dande e a constituição, em área contígua, de uma zona franca constavam de um decreto presidencial assinado em 20 de setembro de 2017 pelo ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, “beneficiando” uma empresa titulada pela filha Isabel dos Santos, seis dias antes da posse de João Lourenço.

Na ação intentada pela Atlantic Ventures contra o Estado angolano pedia-se que o tribunal arbitral declarasse, entre outros, a nulidade do decreto presidencial em que o Presidente angolano, João Lourenço, revogou, em 2018, o diploma que oficializava o ato de favorecimento.

A Atlantic Ventures tencionava também o pagamento, pelo Estado angolano, de uma indemnização no valor de 850 milhões de dólares (752 milhões de euros).

Artigos relacionados
MundoSociedade

Agentes da inteligência militar russa acusados nos EUA por ataques cibernéticos

São Tomé e PríncipeSociedade

Presidente do Tribunal de Contas de São Tomé e Príncipe internado em estado “crítico”

MoçambiquePolítica

Falta de esclarecimento sobre homicídio de autarca moçambicano mostra “captura da justiça”

AngolaPortugal

Isabel dos Santos quer "esclarecimento de eventuais irregularidades” de auditoras

Assine nossa Newsletter