Polícia chamada à IURD em Luanda por guerra entre pastores - Plataforma Media

Polícia chamada à IURD em Luanda por guerra entre pastores

Segundo um dos dissidentes da IURD, o incidente terá acontecido quando um grupo de pastores brasileiros tentou recuperar o templo que tinha sido tomado por angolanos.

A polícia angolana foi chamada a intervir na madrugada de hoje num dos templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Luanda, tendo conduzido até à esquadra cinco pessoas que foram posteriormente libertadas.

Segundo declarações do superintendente Lázaro Conceição, à Televisão Pública de Angola (TPA), a polícia foi chamada a intervir no templo do Morro Bento (bairro de Luanda) “para manter a ordem e a tranquilidade pública, às 4 da manhã”, tendo sido identificadas no local cinco pessoas, quatro de nacionalidade angolana e uma estrangeira.

Depois de serem levados para a 21.ª esquadra, onde “foram submetidos a uma entrevista policial”, os cidadãos foram libertados.

“Não ficou provada a existência de um crime que pudesse justificar a sua detenção pelo que foram apenas identificados e postos em liberdade”, adiantou Lázaro Conceição, explicando que serão os tribunais a decidir sobre o conflito entre os pastores angolanos e brasileiros da IURD.

O superintendente sublinhou que durante a intervenção policial não houve recurso à força, tendo a polícia chegado ao local e identificado que havia divergências.

Segundo um dos dissidentes da IURD, o incidente terá acontecido quando um grupo de pastores brasileiros tentou recuperar o templo que tinha sido tomado por angolanos.

Pastores angolanos tomam IURD de assalto e afastam brasileiros

Gime Inácio, porta-voz da comissão de reforma da IURD, disse à TPA que os templos do Morro Bento e do Patriota foram invadidos por homens armados e que a polícia efetuou alguns disparos para controlar o tumulto, o que foi, no entanto, negado por Lázaro Conceição.

O mesmo porta-voz afirmou que foi indicado um novo líder para dirigir “os destinos da igreja” brasileira, em Angola, o bispo Luís Valente.

As desavenças entre os pastores brasileiros e angolanos, que se arrastam há vários meses, culminaram na segunda-feira com a tomada de templos em várias províncias, incluindo 30 em Luanda.

Os angolanos, que se desvincularam da ala brasileira, falam de vários crimes e práticas negativas dos brasileiros, incluindo racismo, corrupção e desvio de divisas.

A IURD contesta e acusa este grupo de “práticas e desvio de condutas morais e, em alguns casos criminosas, contrárias aos princípios cristãos exigidos de um ministro de culto”, queixando-se de ser alvo de ataques xenófobos.

Entretanto, a IURD em Angola comunicou, na sua página da rede social Facebook, que apesar da reabertura, hoje, ao culto presencial, as suas igrejas vão continuar fechadas em todo o país, por não estar garantida a segurança de pastores e fiéis.

Related posts
AngolaSociedade

Governo angolano alivia restrições e reabre restauração em Luanda ao fim de semana

AngolaSociedade

TAP reforça ligações a Luanda com terceiro voo a partir de sábado

AngolaPolítica

Macro-drenagem e lixo entre as prioridades da nova governadora de Luanda

AngolaEconomia

Jovens desempregados de Luanda agarram-se a biscates “para sobreviver"

Assine nossa Newsletter